Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Oxiteno/Divulgação
Oxiteno/Divulgação

Grupo Ultra deve escolher entre três grupos estrangeiros para vender Oxiteno até o fim de junho

Venda deverá render à dona dos postos Ipiranga cerca de US$ 1,5 bilhão; em maio, grupo já vendeu a rede de farmácias Extrafarma por R$ 700 milhões

Fernanda Guimarães , O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2021 | 11h32

Com a disputa afunilada entre o fundo de private equity (que compra participação de empresas) Advent, a fabricante norte-americana de produtos químicos Stepan e a tailandesa Indorama, a venda da química Oxiteno pelo Grupo Ultra deve ser concluída até o fim de junho, apurou o Estadão. A transação, que ajudará a dona da rede de postos Ipiranga a concentrar seus negócios no mercado de óleo e gás, injetará em seu caixa cerca de US$ 1,5 bilhão. 

O Ultra colocou à venda no fim do ano passado tanto a Oxiteno quanto a sua rede de farmácias Extrafarma, vendida há poucas semanas para a Pague Menos, por R$ 700 milhões. No caso da venda da Oxiteno, o Bank of America foi contratado pela companhia para conduzir a operação. Na última sexta-feira, 28, ocorreu a entrega das propostas firmes de compra pelo ativo, disse uma fonte próxima à operação.

A Oxiteno produz defensivos agrícolas e matérias-primas usadas para a fabricação de detergentes, por exemplo. Possui 11 unidades industriais no Brasil, Estados Unidos, México e Uruguai, 5 centros de pesquisa e desenvolvimento e 8 escritórios comerciais nas Américas, Europa e Ásia.

O Grupo Ultra, segundo fontes, pretende seguir nos negócios onde encontra sinergia, relacionados a ao mercado de óleo e gás, incluindo nesse bloco os postos Ipiranga, a Ultragaz e a Ultracargo.  Um dos focos do grupo é investir na área de refino e a companhia está na disputa pelo controle das refinarias colocadas à venda pela Petrobrás.

Ausência

Nomes apontados como os candidatos mais óbvios para a compra, como a brasileira Unipar, não chegaram a ir à segunda etapa do processo de venda, que começou no início do ano. 

Uma das apostas para levar a Oxiteno, dizem fontes, é o fundo norte-americano Advent, que também está estudando a aquisição da petroquímica Braskem - que é, inclusive, a maior fornecedora da Oxiteno. A Odebrecht, rebatizada de Novonor, colocou à venda sua fatia com direito a voto de 50,1% na companhia. 

Essa transação está sendo conduzida pelo banco Morgan Stanley e o processo é esperado para ser concluído no segundo semestre, disse uma fonte. O negócio faz parte do processo de recuperação do grupo da família Odebrecht.

O fundo Advent tem dado sinais sobre seu interesse em investir no setor petroquímico no Brasil. A principal indicação nesse sentido foi a contratação de Fernando Musa, que deixou a presidência da Braskem no fim de 2019, após passar dez anos na petroquímica.

A Stepan e a Indorama também já estão presentes no Brasil, com um histórico de aquisições de menor porte nos últimos anos. A primeira está presente no Estado de São Paulo e também em Minas Gerais, enquanto a segunda opera em Pernambuco - presença garantida após a compra dos ativos da italiana M&G no Brasil, por meio de uma fábrica no complexo portuário de Suape, onde produz resina PET.

Procuradas, as partes envolvidas na disputa pela Oxiteno não comentaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.