GSK diz que vacina contra ebola avança em velocidade inédita

A GlaxoSmithKline maior fabricante britânica de medicamentos disse neste sábado que o desenvolvimento de uma vacina para combater o ebola, que matou milhares de pessoas na África Ocidental, está avançando muito rápido.

REUTERS

18 de outubro de 2014 | 16h37

"O desenvolvimento da vacina candidata está progredindo a um ritmo sem precedentes, com a fase 1 de testes iniciais segurança e uma vacina em andamento nos EUA, Reino Unido e Mali, e mais testes previstos para as próximas semanas", disse a empresa em um comunicado publicado em seu site.

A empresa disse que os dados preliminares dos testes eram esperados até o final de 2014 e que, se bem sucedido, a próxima fase, envolvendo a vacinação dos profissionais de saúde da linha de frente em Serra Leoa, Guiné e Libéria, começará em 2015.

O pior surto de ebola já matou mais de 4.500 pessoas até agora, a maior parte no trio de países do Oeste Africano.

Em agosto, a GSK disse que a vacina experimental foi acelerada em estudos em seres humanos e que planeja montar um arsenal de até 10 mil doses para emergência, se os resultados foram bons.

A vacina contra a GSK consiste de um vírus da gripe comum, chamado de um adenovírus, manipulados para conter dois genes do vírus ebola.

Testes em animais mostraram que quando o adenovírus infecta células, os genes ebola produzir proteínas inofensivas que estimulam o sistema imunitário para produção de anticorpos.

GSK adquiriu a vacina depois de comprar a empresa de biotecnologia com sede na Suíça Okairos para 250 milhões de euros (319 milhões dólares) no ano passado.

Não há vacina ou cura aprovada ainda para ebola, mas várias empresas farmacêuticas trabalham com drogas experimentais.

(Reportagem de Costas Pitas)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASGSKVACINAEBOLA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.