Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

GSK rejeita proposta da Unilever por unidade de negócios de bens de consumo

Se acordo se concretizasse, Unilever enfrentaria empresas como Estée Lauder e L'Oreal

Reuters, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2022 | 19h03

A GlaxoSmithKline afirmou neste sábado, 15, que rejeitou uma oferta de 50 bilhões de libras da Unilever por seu braço de bens de consumo, dizendo que a proposta "subvalorizou fundamentalmente" o negócio e suas perspectivas futuras e que iria manter seu plano de desmembramento da unidade.

A Unilever confirmou a abordagem no início do sábado, dizendo que a unidade da Glaxo seria um "forte ajuste estratégico", pois continua a reformular seu portfólio, que abrange marcas de alimentos, beleza e cuidados com o lar.

Um acordo desse tamanho seria o maior globalmente desde o início da pandemia, se concretizado. Também poderia transformar a Unilever em uma formidável fornecedora de beleza e cuidados pessoais, enfrentando empresas como Estée Lauder e L'Oreal, enquanto para a GSK, poderia trazer o alívio muito necessário da pressão dos investidores que veio crescendo no ano passado.

A GSK disse que recebeu três ofertas da Unilever, a última em 20 de dezembro compreendendo 41,7 bilhões de libras em dinheiro e 8,3 bilhões de libras em ações da Unilever, que não refletiam o valor intrínseco do negócio e seu potencial.

"O conselho da GSK, portanto, continua focado na execução de sua proposta de cisão do negócio de Consumer Healthcare (...) a caminho de ser alcançado em meados de 2022", disse o comunicado, acrescentando que estava confiante de que o negócio superaria as taxas de crescimento do mercado global em o médio prazo.

O negócio de bens de consumo do grupo deve ser dividido em uma lista separada no meio deste ano.

Mais cedo, o jornal britânico Sunday Times disse que a oferta da Unilever pelo negócio, feita no final do ano passado, valia cerca de 50 bilhões de libras, e foi rejeitada como muito baixa pela GSK e pela Pfizer, que detêm uma participação minoritária na divisão.

A abordagem da Unilever, que possui marcas como sabonete Dove, para o portfólio de marcas domésticas da Glaxo, incluindo analgésicos Panadol e pasta de dente Sensodyne, foi entendida como não solicitada, acrescentou a publicação.

A oferta não incluiu nenhum prêmio de aquisição ou reconhecimento de sinergias, disse o jornal, acrescentando que não estava claro se o grupo faria uma oferta maior.

Tudo o que sabemos sobre:
GSKUnileverPfizer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.