Guarani espera etanol mais caro na próxima entressafra

Para presidente da empresa, demanda elevada e problemas climáticos devem elevar os preços do combustível

Tatiana Freitas, da Agência Estado,

19 de agosto de 2008 | 16h21

A Açúcar Guarani espera preços de etanol mais altos no próximo período de entressafra, em comparação à mesma época do ano passado. Durante teleconferência com analistas realizada nesta terça-feira, 19, o presidente da empresa, Jacyr Costa Filho, disse que o patamar elevado da demanda no mercado doméstico, aliado aos problemas climáticos que estão afetando a produtividade neste início de safra, deve elevar os preços no intervalo. Apesar de prever um cenário apertado entre oferta e demanda no mercado interno, o executivo não vê risco de desabastecimento. No primeiro trimestre do ano fiscal 2009, período que vai de abril a junho de 2008, a produção de etanol da Açúcar Guarani totalizou 128,9 milhões de litros, o que representa um crescimento de 45% am relação ao mesmo período do ano passado. A produção de açúcar, por sua vez, caiu 6,4%. Em participação no mix de produção, o álcool avançou 10 pontos porcentuais no intervalo, atingindo 43% no primeiro trimestre de 2009. A crescente demanda por etanol no mercado doméstico e a baixa remuneração no açúcar foram os principais fatores que estimularam o aumento da produção de álcool. Para os próximos trimestres, no entanto, a Guarani também espera fortalecimento das cotações do açúcar para a safra mundial 2008/09, em razão de uma queda na produção mundial da commodity, principalmente na Índia, União Européia e Tailândia, possibilidade de restrição nas exportações indianas e aumento da demanda por parte de países emergentes. Também durante a teleconferência, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Açúcar Guarani, Reynaldo Benitez, disse que a empresa tem "parte substancial das exportações hedgeadas para este ano", mas não revelou a sua posição travada no mercado futuro e nem em qual preço.

Tudo o que sabemos sobre:
EtanolGuarani

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.