Hardinge recusa oferta da Romi

O conselho de diretores da fabricante americana de máquinas e equipamentos Hardinge rejeitou por unanimidade a proposta de compra apresentada pela Romi, uma das maiores fabricantes brasileiras do setor, por US$ 92 milhões. A Hardinge ainda criou um mecanismo para se proteger de ofertas. Segundo a Hardinge, a proposta do grupo brasileiro é inadequada, oportunista e não representa os melhores interesses dos acionistas da companhia.

AE, Agencia Estado

19 de fevereiro de 2010 | 08h35

A Romi anunciou no início do mês oferta de US$ 8 por ação da Hardinge, depois de não ter tido sucesso em negociar a aquisição com a diretoria da empresa americana a compra da empresa. ?Como manifestado anteriormente, os negócios da Hardinge e o preço de suas ações têm sido reduzidos pela forte recessão global e crise financeira?, disse a diretoria da Hardinge em comunicado ontem. ?Entendemos que faz sentido para a Romi tentar adquirir a Hardinge no fundo do ciclo econômico, e no momento em que se vislumbra uma recuperação?, acrescentou.

Segundo a diretoria da Hardinge, a companhia está bem capitalizada e posicionada para se beneficiar da forte recuperação da indústria durante o processo de retomada da economia global. Procurada, a Romi não tinha representantes disponíveis para comentar o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.