Anderson Riedel/PR - 7/5/2021
Anderson Riedel/PR - 7/5/2021

Havan adia IPO pela segunda vez e promete voltar em 'momento oportuno'

Empresa de Luciano Hang buscava abrir capital desde agosto do ano passado; investidores se mostravam preocupados com a relação próxima do empresário com o presidente Jair Bolsonaro

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 17h41
Atualizado 23 de agosto de 2021 | 20h43

A rede varejista Havan decidiu suspender "por ora" sua oferta inicial de ações (IPO, em inglês), de acordo com comunicado da empresa. A companhia pretende voltar com a oferta em "momento oportuno". É a segunda vez que a empresa do polêmico empresário Luciano Hang desiste de fazer um IPO.

Nesta segunda-feira, o pedido de registro de companhia aberta da Havan aparecia como "indeferido" no portal da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A empresa informou que "voluntariamente" pediu a suspensão do registro.

"A Companhia, por ora, adia a intenção de realizar sua Oferta Pública Inicial de Ações, que será retomada em momento oportuno e devidamente informada ao mercado", ressalta comunicado nesta segunda-feira. 

Em agosto do ano passado, a Havan chegou a entrar com pedido na CVM, buscando ser avaliada em R$ 100 bilhões, segundo fontes que acompanharam as conversas na época. Dois meses depois, desistiu do processo, que foi retomado em março de 2021, agora com a empresa buscando ser avaliada na casa dos R$ 70 bilhões. Mas os investidores estavam dispostos a pagar múltiplos bem menores, que avaliavam a varejista perto de R$ 50 bilhões.

Hang é ardoroso defensor do presidente Jair Bolsonaro e, para tentar viabilizar a oferta, chegou a levar há alguns meses um grupo de gestores em suas lojas, para conhecer o modelo de operação.

Um diretor de um banco de investimento avalia que o modelo de negócios da Havan é "extremamente rentável, você goste ou não de Luciano Hang e com números auditados". Mas este executivo reconhece que o maior desafio da Havan é a "personalidade polêmica do controlador", especialmente neste momento em que Bolsonaro vem atacando instituições.

Adiamento de IPO não altera plano de 'plantar' lojas pelo País, diz Hang

O empresário Luciano Hang, afirmou que o adiamento da abertura de capital da rede varejista "não afeta o nosso propósito de seguir plantando lojas pelo Brasil", segundo comunicado à imprensa. "Seguimos firmes e fortes, assim como viemos fazendo nestes 35 anos", afirma Hang no comunicado.

Um banqueiro de investimento disse que o empresário era alvo de crescente "escrutínio" pelos investidores, por conta de sua "personalidade polêmica", sempre defendendo o governo de Jair Bolsonaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.