Hedge de combustível e dólar derrubam resultado da TAM

Companhia aérea tem prejuízo líquido de R$ 1,34 bilhão em 2008 e reduz perspectivas para o mercado neste ano

Reuters,

31 de março de 2009 | 09h10

A companhia aérea TAM anunciou nesta terça-feira que teve prejuízo líquido no quarto trimestre de R$ 1,123 bilhão, revertendo resultado positivo de um ano antes após sofrer forte despesa financeira gerada por operações de hedge de combustível e pela valorização do dólar contra o real.

 

A companhia, que divulgou seus resultados trimestrais em legislação norte-americana (US GAAP), reduziu ainda suas perspectivas para o mercado doméstico este ano, passando de crescimento de 5% a 9% para uma expansão de 1% a 5%.

 

A empresa, que praticamente divide o mercado de aviação brasileiro com a Gol, informou prejuízo líquido em 2008 de R$ 1,34 bilhão, ante lucro um ano antes de R$ 467 milhões.

 

O dado anual da TAM também foi apresentado de acordo com regras brasileiras, sendo de prejuízo de R$ 1,36 bilhão ano passado contra lucro de R$ 505,13 milhões em 2007. Na semana passada, a rival Gol divulgou perda de R$ 1,387 bilhão contra ganho em 2007 de R$ 272,26 milhões.

 

A TAM incorreu em despesas financeiras de R$ 2,15 bilhões no quarto trimestre do ano passado, impactada por perdas com hedge de combustível de R$ 919 milhões e com variações cambiais de R$ 815 milhões. Um ano antes, as despesas financeiras no período tinham sido de R$ 335 milhões.

 

As operações de hedge de combustível serviam para proteger a empresa da acentuada alta no valor do barril do petróleo até o agravamento da crise financeira internacional em meados de setembro. Mas depois disso, a cotação da commodity desabou e as operações de defesa passaram a gerar perdas.

 

Cortes em hedge

 

Diante disso, a TAM, que tinha hedge contratado para volume perto de 3 milhões de barris WTI no primeiro trimestre deste ano, reduziu o montante para cerca de 2 milhões, cerca de metade de seu consumo projetado no período, de acordo com dados do balanço.

 

A companhia também reduziu o volume para o segundo e terceiro trimestres deste ano. Para 2010, a empresa repactou contratos ampliando consideravelmente os volumes com relação aos níveis originais. A TAM prevê preço médio do barril de petróleo WTI a 40 dólares até o final de 2009.

 

Entre receitas e despesas, o saldo do resultado financeiro foi negativo em R$ 1,962 bilhão nos últimos três meses de 2008, contra ganho de 46 milhões de reais no quarto trimestre de 2007.

 

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e leasing de aeronaves (Ebitdar, na sigla em inglês) da TAM no quarto trimestre foi de R$ 521,6 milhões, alta de 67% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A margem passou de 13,7% para 17,9%.

 

A companhia fechou o quarto trimestre com receita líquida de 2,92 bilhões de reais, crescimento de 28,2% sobre igual período de 2007. Enquanto isso, o número de passageiros transportado avanço apenas 1,8%, para 7,385 milhões.

 

A TAM informou ainda que manterá investimentos em ampliação de frota, com investimentos de 6,9 bilhões de dólares até 2018 e que vai elevar oferta de assentos nos mercados doméstico e internacional, em 8 e 20%, respectivamente este ano.

Tudo o que sabemos sobre:
TAMAviaçãoEmpresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.