Heineken foca em emergentes e não comenta oferta pela Foster's

A terceira maior cervejaria do mundo, Heineken, afirmou que seu foco fora da Europa está nos mercados emergentes, em comentário que aparentemente exclui uma contraproposta pela australiana Foster's Group.

DAVID JONES E SARA WEBB, REUTERS

21 de junho de 2011 | 09h35

"Se você observar nossa estratégia de expansão, temos a Europa como sede. A Europa é um mercado grande, maduro e lucrativo, mas é um mercado muito maduro, então pode-se perceber que a expansão que fazemos fora da Europa está nos mercados emergentes", disse o vice-presidente financeiro da Heineken, Rene Hooft Graafland.

"Fazer um negócio maduro fora dessa base não faz sentido. O melhor é gastar nosso dinheiro nos mercados do México, Brasil ou África, ou Ásia", acrescentou.

Ele se recusou a comentar diretamente sobre qualquer oferta pela cervejaria Foster's, que recebeu proposta de aquisição de 9,5 bilhões de dólares australianos (10,1 bilhões de dólares) em dinheiro e excluindo dívida, da SABMiller. A oferta foi recusada pelo grupo australiano como sendo muito baixa.

Analistas afirmam que a Heineken não tem poder de fogo para fazer uma contraproposta pela Foster's depois da aquisição da Scottish e Newcastle em 2008 e da compra da mexicana FEMSA Cerveza, no ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
ALIMENTOSHEINEKENFOSTERS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.