ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Hereda defende Caixa ‘100% pública’ e diz que não vê sentido em IPO

Atual presidente do banco estatal passa o bastão para a ex-ministra Miriam Belchior no dia 23 e diz que é pessoalmente contra IPO da instituição

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2015 | 16h14

O atual presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda, não vê sentido fazer a abertura de capital neste momento. "É um passo que precisa de muita discussão. Se tomarmos decisão de última hora podemos nos arrepender de abrir capital", afirmou ele, em coletiva de imprensa após a divulgação dos resultados do banco.

Hereda afirmou que, pessoalmente é "contra" a abertura de capital do banco. "precisamos de uma instituição 100% pública", disse Hereda, acrescentando que há grande possibilidade de que IPO não aconteça neste momento.

A Caixa registrou um lucro de R$ 7,1 bilhões em 2014, alta de 5,5% em relação a 2013. Esse foi o último balanço assinado por Hereda. No próximo dia 23 ele passa o comando do banco estatal para a ex-ministra do Planejamento Miriam Belchior. Hereda afirmou que a transição do comando do banco será muito tranquila. "A transição está acontecendo e será muito tranquila até porque Miriam é minha amiga de longa data

Segundo ele, seguros é uma oportunidade que deve ser trabalhada e que, eventualmente, a Caixa pode discutir a abertura de capital da sua seguradora. Hereda explicou que a decisão ainda não foi tomada. Sobre o assunto já ter sido discutindo com os sócios franceses, a CNP, ele afirmou que o entendimento entre ambos é da possibilidade de aumentar a participação de seguros. "Faz sentido abrir capital da seguradora. Queremos aumentar os negócios de seguros", concluiu Hereda. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.