Hipermercados perdem espaço no varejo brasileiro

Pela primeira vez em cinco anos, os hipermercados brasileiros registraram queda nas vendas em 2010 em relação a 2009. No ano passado, o faturamento dos hipermercados recuou 5,9% ante 2009, enquanto os supermercados ampliaram em 12,2% a receita, descontada a inflação do período. Os dados são do 40.º Relatório Anual da revista "Supermercado Moderno", que realiza uma espécie de radiografia do varejo de autosserviço.

AE, Agencia Estado

23 de maio de 2011 | 10h41

?O que era uma tendência, em 2010 virou realidade, com a retração real das vendas dos hipermercados?, afirma Valdir Orsetti, responsável pela pesquisa. Desde 2005, os hipermercados vinham perdendo 1% ao ano de participação no faturamento do autosserviço, setor que atingiu receita de R$ 204 bilhões em 2010, com crescimento real de 7,1% em relação a 2009.

O pano de fundo desse movimento foi o fim da hiperinflação, que tirou o grande apelo do hipermercado: ter preço mais competitivo do que o das lojas menores. A comodidade, como a proximidade de casa ou do local de trabalho, levou o consumidor a fazer compras com maior frequência nas redes menores. Mas, para Orsetti, o fator decisivo para o avanço dos supermercados sobre os hipermercados foi a oferta de produtos na medida certa para o consumidor.

Gabriel Habka, supervisor comercial da rede Futurama, com sete lojas de supermercados na capital paulista, que fechou 2010 com faturamento de R$ 249 milhões e crescimento real de 5%, conta que faz um ano que a empresa começou a revisar o mix de produtos de cada loja. Alimentos kosher (aqueles fabricados de acordo com os preceitos judaicos) não podem faltar na loja da Angélica, onde residem muitos judeus, diz Habka. Na loja Cásper Líbero, por sua vez, é obrigatória a presença de biscoito coquinho, muito consumido pelo público vindo do Nordeste que mora na região. ?A meta é dar o tiro no alvo certo.?

A Coop Cooperativa de Consumo, com 29 lojas, faturamento de R$ 1,522 bilhão em 2010 e expansão real de vendas de 9%, tem uma equipe de sete profissionais desenhando o mix de produtos por loja, conta o presidente da empresa, Antonio José Monte. Entre os critérios para a seleção dos produtos estão o perfil social dos clientes e as preferências regionais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
varejohipermercadosvendaspúblico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.