Honda anuncia recall de mais de 437 mil veículos

A Honda Motor anunciou que fará um "recall" de 437.763 veículos em todo o mundo, a fim de consertar possíveis defeitos nos sistemas de airbag que estão ligados a pelo menos uma morte e 11 casos de pessoas feridas nos EUA. O recall inclui 378.758 veículos nos EUA, 41.685 no Canadá, 9.227 no México, 4.042 no Japão, 1.361 em Taiwan e 703 na Austrália.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

10 de fevereiro de 2010 | 06h53

Nos EUA, o recall amplia para mais de 826 mil o número de veículos Honda e Acura cobertos por uma série de recalls no sistema de airbag que começou em 2008. Segundo a companhia, alguns airbags em seus veículos mais antigos empregam pressão excessiva, e lançam fragmentos metálicos no interior do carro. A primeira etapa do recall cobriu menos de 4 mil veículos nos EUA. Mais tarde, o chamado se ampliou para cerca de 443 mil veículos, em julho do ano passado.

No total, incluindo veículos vendidos fora dos EUA, a Honda fez o recall de cerca de 510 mil veículos em todo o mundo para o conserto do defeito no airbag, desde julho de 2009. Os sistemas afetados são encontrados basicamente nos modelos Accord, Civic, Odyssey, CR-VS e alguns modelos Acura, fabricados nos anos de 2001 e 2002.

O vice-presidente de vendas da Honda American, John Mendel, disse que a decisão da companhia de expandir o recall anterior foi provocada em parte pela atual preocupação acerca das questões de segurança levantadas pelos recentes recalls da Toyota, de mais de 6 milhões de veículos. A Toyota agora é questionada por congressistas e órgãos reguladores, que querem saber se a montadora agiu suficientemente rápido para responder aos relatos de problemas com aceleração súbita em alguns veículos.

"Certamente há uma sensibilidade aguçada agora a qualquer coisa que tenha a ver com recalls", disse Mendel. "Estamos particularmente preocupados para que isso não pareça que estamos tentando fugir do problema". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Honda, recall

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.