HRT pede à ANP suspensão de produção em Tubarão Martelo, da Óleo e Gás

A petroleira HRT afirmou em nota nesta quinta-feira que solicitou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a suspensão das atividades do campo de Tubarão Martelo, da Óleo e Gás, o qual a companhia considera ter conexão com o campo de Polvo, operado por ela.

REUTERS

16 de outubro de 2014 | 19h35

Segundo a HRT, a suspensão da produção em Tubarão Martelo deveria ocorrer até que a ANP decida sobre as condições da unitização com Polvo.

De acordo dom a HRT, a conexão entre os dois campos, de Polvo (da HRT) e de Tubarão Martelo (da Óleo e Gás), não se trata de mera avaliação da companhia.

"Estudos conduzidos pela própria OGPar, em 2012, atestam que um dos reservatórios do campo de Tubarão Martelo avança pelo chamado "ring fence" do Campo de Polvo, fato este que, à luz de referida resolução (da ANP), impõe a assinatura de acordo para a individualização da produção entre as concessionárias envolvidas para o compartilhamento de exploração e produção", disse a petroleira.

A HRT afirmou na nota que até o momento não recebeu os dados sísmicos e geológicos por parte da Óleo e Gás, "que vem tentando, de várias formas, embaraçar a unitização imposta pela Resolução ANP 25/2013".

Segundo a HRT, por isso, a empresa apresentou à Superintendência de Exploração da ANP pedido de acesso ao Processo Administrativo que contém os relatórios técnicos e o Plano de Desenvolvimento do campo de Tubarão Martelo, "bem como a suspensão da produção desse campo até que a ANP arbitre os termos e condições da unitização dos referidos campos".

Não havia representante da Óleo e Gás disponível imediatamente para comentar a nota da HRT.

(Por Roberto Samora)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAHRTOGPAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.