Helvio Romero|Estadão
Helvio Romero|Estadão

HSBC Brasil registra prejuízo de US$ 189 milhões no 2º trimestre

Resultado tem como cenário a queda das receitas totais do banco no País e aumento de 83% nas despesas com provisões para créditos duvidosos

Fernando Nakagawa, correspondente, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2016 | 10h38

LONDRES - Antes de passar para o controle do Bradesco, o HSBC registrou mais um trimestre de prejuízo no Brasil. Balanço divulgado nesta quarta-feira, 3, pelos antigos donos da instituição financeira, mostra que o HSBC Brasil teve prejuízo ajustado de US$ 189 milhões no segundo trimestre de 2016. Há um ano, entre abril e junho de 2015, a ainda filial do grupo britânico gerou lucro ajustado antes de impostos de US$ 81 milhões.

O prejuízo no Brasil tem como cenário a queda das receitas totais do HSBC Brasil que somaram o equivalente a US$ 795 milhões no segundo trimestre, valor 9,5% menor que o visto em igual período de 2015. Ao mesmo tempo em que as receitas diminuíram quase dois dígitos, as despesas com provisões para créditos duvidosos saltaram 83% no mesmo período, para US$ 414 milhões.

A provisão para as operações de crédito no Brasil correspondeu a mais de um terço do gasto para eventuais perdas em todo o grupo. Segundo o balanço, a soma da provisão de todas as filiais do HSBC no mundo somou US$ 1,205 bilhão no trimestre. Portanto, o Brasil respondeu por 34,4% dessa cifra.

As despesas operacionais somaram US$ 570 milhões no segundo trimestre, valor estável na comparação com um ano antes, quando o gasto somou US$ 571 milhões.

No acumulado dos seis primeiros meses de 2016, o HSBC Brasil registrou perdas ajustadas de US$ 277 milhões. Mais uma vez, houve inversão da tendência dos resultados financeiros, já que o banco havia acumulado lucro ajustado antes de impostos de US$ 145 milhões no primeiro semestre de 2015.

Mundo. O HSBC divulgou hoje que teve lucro líquido de US$ 2,61 bilhões no segundo trimestre do ano, representando queda de 40% ante igual período de 2015. Na mesma comparação, os ganhos antes de impostos do banco britânico caíram 45%, a US$ 3,61 bilhões. O lucro diminuiu em meio a "incertezas consideráveis no primeiro semestre do ano", segundo o executivo-chefe do HSBC, Stuart Gulliver.

Nesta segunda metade de 2016, o HSBC informou que pretende gastar até US$ 2,5 bilhões para recomprar ações, após a venda bem-sucedida de suas operações no Brasil.

A recompra de ações vem num momento em que o HSBC enfrenta preocupações relacionadas a sua estratégia para a Ásia e dúvidas sobre o impacto da decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, em plebiscito realizado em junho.

O HSBC, que já esteve presente em 87 países, vem saindo de alguns mercados, incluindo o Brasil, numa tentativa de melhorar sua rentabilidade e lidar com o endurecimento da regulação do setor bancário desde a crise financeira mundial. Suas principais operações estão hoje na Ásia, no Reino Unido e na América do Norte. /COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.