HSBC: PMI do Brasil fica estável em 50,4 em junho

O Índice Gerente de Compras HSBC (PMI) Brasil ficou inalterado em 50,4 em junho ante maio, ficando positivo pelo nono mês consecutivo, porém o número mais fraco nesses nove meses de crescimento. Um número acima de 50 indica expansão e abaixo desse patamar, contração.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, Agencia Estado

01 de julho de 2013 | 10h21

"A média do PMI no segundo trimestre foi de 50,5, a mais fraca desde o terceiro trimestre do ano passado, reforçando a percepção de que após um início relativamente forte, a atividade econômica no segundo trimestre perdeu força", observou o economista-chefe do banco no Brasil, Andre Loes.

Segundo Loes, as notícias foram negativas também com relação à inflação e as empresas notaram aceleração do aumento de preços. "Os custos de insumos subiram ao ritmo mais elevado desde maio de 2011, enquanto que o aumento de preços de bens finais teve a taxa mais forte desde março de 2011", disse.

O volume de novos pedidos recebidos pelos fabricantes cresceu em junho. Ainda assim, as empresas consultadas citaram uma demanda externa mais fraca e maior concorrência. Com isso, as exportações caíram pelo terceiro mes seguido e houve um aumento modesto da produção em junho.

Tudo o que sabemos sobre:
HSBSPMIBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.