IBGE enfrenta greve de servidores a partir de 2ª feira

No total, dez Estados e Distrito Federal participarão da paralisação; órgão diz que divulgação de indicadores está mantida

Daniela Amorim, da Agência Estado,

23 de maio de 2014 | 10h48

RIO - Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 12 unidades já confirmaram a adesão à greve de funcionários a partir desta segunda-feira, dia 26. Segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Fundações Públicas Federais de Geografia e Estatísticas (ASSIBGE-SN), as assembleias regionais aprovaram a convocação de paralisação em 12 unidades distribuídas pelo Distrito Federal e mais dez Estados: Rio de Janeiro, Amapá, Amazonas, Distrito Federal, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

O órgão não se manifesta oficialmente sobre a paralisação, mas comunicou que as divulgações previstas para os próximos dias estão mantidas, entre elas as Contas Nacionais Trimestrais do primeiro trimestre de 2014, que mostrarão os resultados do PIB para o período, na próxima sexta-feira, dia 30.

Novas assembleias regionais serão realizadas pelo País ao longo desta sexta-feira e na manhã de segunda-feira que vem para mobilizar e votar a adesão de servidores à greve nas demais unidades. O sindicato reivindica a saída imediata da atual presidente do IBGE, Wasmália Bivar, dos membros do Conselho Diretor e dos chefes de unidade com mais de quatro anos no cargo.

Os servidores criticam ainda a contratação de trabalhadores temporários para a realização de pesquisas contínuas e pedem concurso público para preenchimento de mais de quatro mil vagas, além de valorização salarial ao mesmo patamar que órgãos como Banco Central e Comissão de Valores Mobiliários.

O desgaste entre a direção do IBGE e servidores começou em 10 de abril, quando a presidente do Instituto, Wasmália Bivar, anunciou a suspensão até janeiro do calendário de divulgações da Pnad Contínua, que mostra a taxa de desemprego em todo o Brasil. O objetivo era aprimorar o cálculo da renda domiciliar per capita para atender a exigências da lei complementar que determina o indicador como base para o rateio do Fundo de Participação dos Estados.

No entanto, houve suspeitas de ingerência externa no órgão porque a decisão foi motivada por pedidos de senadores. A crise provocou o pedido de desoneração de duas diretoras, e 18 coordenadores ameaçaram uma entrega coletiva de cargos. Após semanas de discussões, a direção do órgão voltou atrás e decidiu manter a divulgação prevista para 3 de junho.

Segundo o sindicato, a divulgação da Pnad Contínua está assegurada, mas o andamento das outras pesquisas do órgão pode ser afetado pelo movimento grevista. Em 2012, uma greve de servidores do IBGE prejudicou por alguns meses a divulgação da taxa de desemprego apurada pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange as seis principais regiões metropolitanas do País. A análise dos dados de Salvador e Rio de Janeiro não ficou pronta a tempo de cumprir o calendário da pesquisa, por conta da paralisação dos trabalhos.

Tudo o que sabemos sobre:
greveIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.