Manuel Balce Ceneta/AP
Manuel Balce Ceneta/AP

Ibovespa crava 10 sessões seguidas em alta e atinge novo recorde aos 79 mil pontos

O principal índice da Bolsa brasileira encerrou a sessão desta sexta-feira com valorização de 0,54%; nos últimos 10 pregões, os ganhos acumulados já chegam a 8,79%

Simone Cavalcanti, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2018 | 18h59

Em uma espécie de continuidade do rali iniciado nas últimas semanas de 2017, o Ibovespa fechou nesta sexta-feira, 5, o 10º pregão consecutivo em alta, chegando aos 79 mil pontos. O principal índice da B3, a bolsa brasileira, encerrou a sessão com valorização de 0,54%, aos 79.071,46 pontos, na máxima do dia. 

Com isso, acumula ganhos de 8,79% nos últimos 10 pregões. A última vez em que essa sequência ocorreu foi em julho de 2016, quando o índice teve avanço acumulado de 9,37%.

++Temer veta Refis para micro e pequenas empresas

"Com o décimo dia de alta, o que não é comum, o fôlego está acabando", afirmou Hersz Ferman, economista da Elite Corretora.

De fato, na primeira etapa da sessão desta sexta-feira, o Ibovespa ensaiou um movimento de realização de ganhos, que, contudo, não se sustentou. 

++Poupança tem maior captação líquida desde 2014

As blue chips - nome dado às ações com maior volume de negociações, de empresas consolidadas - do setor bancário ajudaram a puxar o índice para baixo, mas, na parte da tarde, reverteram a tendência. 

Nos quatro primeiros dias de janeiro, os papéis Itaú Unibanco PN acumulam ganhos de 6,26%. Os papéis Banco do Brasil ON têm avanço acumulado de 5,81% e Bradesco PN, de 4,95%.

++Bolsonaro será candidato do PSL, afirma presidente do partido

O sinal negativo do índice à vista predominou da abertura ao meio do dia e foi se aplacando aos poucos. Segundo analistas, contribuiu para esse movimento de recuperação a divulgação de dados mais fracos do mercado de trabalho dos Estados Unidos, cuja criação de vagas veio bem abaixo das projeções. 

"Diante desses dados, subentende-se que o Federal Reserve não deve aumentar os juros no curto prazo. A notícia é boa para os emergentes porque indica que a liquidez mundial deve seguir por mais algum tempo", ressalta Ariovaldo dos Santos, gerente da mesa de renda variável da H.Commcor.

ELIANE CANTANHÊDE Mexer na 'regra de ouro' significa rebaixamento na certa

A notícia, de acordo com Santos e Ferman, encontrou cenário positivo para manter o apetite por risco por aqui, uma vez que os indicadores econômicos brasileiros que têm sido divulgados apontam para a retomada da economia. 

De acordo com o economista da Elite Corretora, esse momento cíclico é positivo, indicando a chegada de círculo virtuoso, que traz melhores perspectivas para as empresas, entrada de capital no Brasil e ajuda a potencializar os ganhos no mercado acionário. 

++MST pretende realizar atos pelo País no dia do julgamento de Lula

"O Brasil está andando muito bem, mas nada que destoe de maneira significativa do cenário externo. O mundo está com sinal positivo para ativos de risco e estamos indo junto nesse momento", disse Ferman, ressaltando que, sem notícias mais contundentes no plano político, há espaço para a tomada de risco.

Santos complementa que, ainda como pano de fundo, há ainda quem veja na troca ministerial das últimas semanas um sinal de esforço e articulação do governo visando o andamento da reforma da Previdência, cuja votação, no final de 2017, foi prometida para fevereiro próximo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.