Iedi: emprego cresce no ritmo do PIB e ajuda expans?o

O Produto Interno Bruto (PIB) e o emprego formal, aquele com carteira de trabalho assinada, cresceram praticamente no mesmo ritmo em 2007, aponta um estudo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). "Em todos os anos desta d?cada at? 2006, o emprego formal crescia mais do que o PIB?, afirma o consultor do Iedi e ex-secret?rio de Pol?tica Econ?mica do Minist?rio da Fazenda, J?lio S?rgio Gomes de Almeida. Isso mostra, segundo o economista, que a cria??o de postos de trabalho - que proporciona mais renda, consumo e novos empregos - agora come?a a aparecer tamb?m no desempenho do PIB.Enquanto o PIB, a soma de todas as riquezas criadas no Pa?s, deve ter aumentado 5,2% no ano passado, segundo estimativa do Iedi, o emprego com carteira assinada cresceu 5,1% at? novembro na compara??o com o mesmo per?odo de 2006, de acordo com a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estat?stica (IBGE) nas seis regi?es metropolitanas do Pa?s.A converg?ncia entre o indicador de emprego e de gera??o de riquezas ? um processo cumulativo, afirma o economista. Ele acredita que a forte sintonia entre o PIB e o emprego formal registrada no ano passado consolida essa tend?ncia. Nas contas do Iedi, o emprego formal representa 45% do emprego total, que inclui a informalidade.Para este ano, a perspectiva ? de que o ritmo de crescimento do PIB e do emprego formal mantenha essa sintonia, prev? o consultor. Ele pondera, no entanto, que o quadro poder? mudar se o Banco Central (BC) optar por aumentar a taxa b?sica de juros para conter as press?es inflacion?rias. Com isso, diz ele, poder? ocorrer uma revers?o nas expectativas. As informa??es s?o do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.