IGP-M sobe 5,10% no ano, metade da inflação registrada em 2010

Segundo a FGV, o índice de inflação que reajusta os aluguéis recuou 0,12% em dezembro

Daniela Amorim e Anne Warth, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2011 | 08h38

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), índice de inflação muito utilizado em reajuste de aluguéis, fechou o ano em uma alta bem mais fraca do que a registrada em 2010. O IGP-M avançou 5,10% neste ano, contra a elevação de 11,32% em 2010.

Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-M registrou deflação de 0,12% em dezembro, após uma alta de 0,50% em novembro. A taxa mensal ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre uma deflação de 0,15% e uma variação positiva de 0,05%. A mediana das projeções foi de uma queda de 0,05%.

A FGV anunciou ainda os resultados dos três sub-indicadores que compõem o IGP-M de março. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) caiu 0,48% este mês, após subir 0,52% na leitura anterior. No ano, o IPA acumulou alta de 4,34%.

Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) apresentou alta de 0,71% em dezembro, após um aumento de 0,43% no mês passado. Em 2011, o IPC teve alta de 6,16%.

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) registrou taxa positiva de 0,35% este mês, depois da elevação de 0,50% em novembro. No ano, o INCC acumulou uma expansão de 7,58%.

O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M foi do dia 21 de novembro a 20 de dezembro.

Responsável pela deflação

A forte queda do IPA-M (de 0,48% em dezembro) foi a grande responsável pela deflação de 0,12% do IGP-M do mês de dezembro, avaliou nesta quinta-feira,29, o economista-chefe do SulAmérica Investimentos, Newton Camargo Rosa. Essa queda, segundo ele, foi puxada principalmente pelos produtos agrícolas e deve chegar ao consumidor nos próximos meses. "Isso dá uma sinalização de preços mais acomodados e tranquilos no varejo nos próximos meses", afirmou.

De acordo com o economista Pedro Rotta, da Quest Investimentos, chamaram a atenção as quedas de soja, milho e também dos produtos in natura, de -0,60% em dezembro, ante alta de 1,92% em novembro. A carne também desacelerou, com destaque para carne bovina, com alta de 3% em dezembro, ante 5% em novembro, e bovinos, com alta de 1,35% em dezembro, ante 3,72% em novembro. Na indústria, o destaque ficou com a queda de 6,96% do minério de ferro, ante alta de 1,83% em novembro.

O resultado do IGP-M de dezembro veio em linha com a projeção do SulAmérica Investimentos, que esperava uma queda de 0,13%. "O índice também veio em linha com a desaceleração da economia brasileira e das commodities lá fora", afirmou Rosa.

Com a deflação registrada em dezembro, a SulAmérica Investimentos decidiu rever a projeção para o índice de janeiro. "Embora os cálculos não estejam fechados, prevemos uma alta menor do que esperávamos no IGP-M de janeiro", afirmou Rosa. Apesar disso, o consumidor deve esperar as tradicionais pressões inflacionárias do início do ano. Como destaque, Rosa citou os in natura, que devem pressionar devido ao aumento das chuvas, e gastos com educação.

A projeção da Quest Investimentos para o IGP-M de 2012 é de uma alta de 5%. A instituição ainda não fechou os números de janeiro.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIGP-M

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.