Claudio Gatti/ Iguatemi - 9/10/2019
Claudio Gatti/ Iguatemi - 9/10/2019

Iguatemi cria 'vitrine' no varejo físico para grifes vendidas apenas pela internet

Companhia inaugura nesta terça-feira, em seu mais tradicional shopping, loja temporária com marcas de luxo que ainda não têm tradição no País, mas que podem ser adquiridas por meio de seu e-commerce

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2021 | 05h00

Pensando em aprimorar a experiência de vendas online do setor de varejo premium, a rede Iguatemi vai inaugurar hoje a primeira loja “pop-up” (temporária) do seu e-commerce Iguatemi 365. A ação faz parte da estratégia da companhia de interligar o mundo virtual ao físico dos shoppings para os consumidores. A nova unidade deve servir como expositor para marcas de luxo vendidas exclusivamente no site da companhia. “Essa combinação de online e offline vai ampliar a oferta de produtos que antes não estavam disponíveis no País”, contou o copresidente do Iguatemi, Carlos Jereissati Filho, ao Estadão.

Essa é mais uma iniciativa da estratégia da rede de shoppings na expansão do serviço de e-commerce de luxo, criado em outubro de 2019. Atualmente, o Iguatemi 365 é responsável por comercializar em seu marketplace cerca de 1,6 mil produtos de 62 marcas nacionais e internacionais, das quais 30 são exclusivas da plataforma e outras 18 não têm lojas físicas no Brasil. 

“Nós sabemos que, no mundo da moda, poder tocar os produtos ainda faz muita diferença para os clientes”, afirmou o diretor de negócios digitais do Iguatemi, Mário Meirelles. Para a decoração da pop-up do Shopping Iguatemi, em São Paulo, a empresa se inspirou em grandes lojas de departamentos, como Bloomingdale’s e Barney’s New York

Conforme divulgado pela empresa, apesar da inauguração da loja física, todo o processo de compra continuará virtual pelo site do Iguatemi 365. Dentro dessa iniciativa, a companhia também se prepara para o lançamento de um aplicativo para celulares que deve facilitar o processo de compras do marketplace.

Essas iniciativas vêm depois de a Iguatemi ampliar seu processo logístico na entrega dos itens de luxo para todo o Brasil. A empresa, contudo, não divulga as informações sobre investimentos das iniciativas de expansão da operação. No terceiro trimestre, a companhia teve prejuízo de R$ 57,9 milhões. O resultado foi reflexo do efeito negativo da Infracommerce, empresa relacionada ao mundo digital na qual o grupo detém participação.

Para o consultor Luiz Felipe Salles, fundador da Mix Retails Malls, o uso de diferentes canais de venda é tendência cada vez mais forte para os negócios que nasceram no mundo virtual. “A empresa precisa se conectar em todos os pontos de venda com o cliente. Em algum momento todas as companhias vão ter de ser físicas e virtuais”, diz Salles. 

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Glauco Humai, o lançamento do Iguatemi vai ao encontro do desejo dos consumidores de buscar não só produtos, mas também uma experiência de compra mais exclusiva – algo difícil de se fazer apenas pela internet. “O varejo de shopping está se modernizando, encontrando novos formatos e soluções para oferecer a melhor experiência para o consumidor”, afirmou Humai. 

Novidades

De olho na expectativa de crescimento das vendas no mercado de luxo para o próximo ano, o grupo dá ênfase aos novos nomes da moda premium. Os consumidores terão acesso a produtos como Chiara Ferragni, Fjällräven e Annak, ao lado de grifes clássicas como Tiffany & Co. e Dolce & Gabbana

“Nós temos uma boa expectativa para 2022. O mercado da alta moda nacional e internacional está em alta”, afirma Jereissati. “Outras marcas importantes querem estar no nosso marketplace e estão nos procurando. Nós teremos novidades para aumentar essa constelação de marcas de luxo em 2022”, complementa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.