Inadimplência de empresas sobe 9% em novembro, diz Serasa

Aumento foi o mais forte desde março; condições de crédito para micro e pequenas ainda é difícil

Carolina Freitas, da Agência Estado,

30 de dezembro de 2009 | 12h18

A inadimplência das pessoas jurídicas no País subiu 9% de outubro para novembro, na maior alta mensal desde março, mostra o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas, divulgado hoje. O número assemelha-se ao registrado em novembro de 2008, ápice da crise econômica mundial - 9,2% - e reverte tendência de queda que vinha desde julho de 2009.

 

De julho para agosto a inadimplência havia caído 12,7% e, de agosto para setembro, 2,6%. De setembro a outubro houve elevação de 0,8%. Comparando a inadimplência acumulada de janeiro a novembro de 2009 com a acumulada no mesmo período de 2008, a pesquisa aponta alta de 21,7% no indicador.

 

Para os analistas da Serasa, a dificuldade de acesso ao crédito levou aperto financeiro especialmente às micro e pequenas empresas, que ainda não conseguiram retomar as condições de empréstimo pré-crise. Segundo os especialistas, mesmo sendo uma despesa programada, o pagamento do 13º salário aos funcionários pesou nas finanças das empresas que ainda enfrentavam dificuldades para gerar receitas. As exportadoras sofrem ainda com a retração do mercado externo.

 

Dívida - No acumulado de janeiro a novembro, as dívidas em atraso mais comuns entre as empresas foram os títulos protestados (41,5%), os cheques sem fundos (38,7%) e as dívidas com bancos (19,7%).

 

Apesar de o perfil das dívidas ter sido semelhante ao do acumulado de 2008, o valor médio delas subiu em 2009. As dívidas médias com bancos ficaram em R$ 4.576,39, com 4,3% de elevação, a dos títulos protestados em R$ 1.744,77, alta de 11,9%, e dos cheques sem fundos em R$ 1.650,95, aumento de 25,1%.

 

O critério para que a Serasa considere uma empresa inadimplente é determinado pelo credor. No caso das dívidas com bancos, por exemplo, a empresa é inadimplente se não regularizar a situação em até dez dias após o recebimento de uma carta enviada pela Serasa após a solicitação do credor.

 

Tudo o que sabemos sobre:
inadimplênciaempresasSerasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.