Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Inadimplência de pessoa física está sob controle, diz BB

Para gerente executivo da instituição, situação está 'estabilizada'

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

30 de setembro de 2011 | 16h55

O Banco do Brasil (BB) não vem registrando sinais de aumento da inadimplência entre seus clientes pessoa física. Segundo o gerente executivo do BB, Milton Telles, apesar do mercado estar apresentando crescimento de atrasos nos pagamentos, a situação está "estabilizada" na instituição. "De fato, houve no mercado em geral uma ligeira elevação na inadimplência da pessoa física. Isso pode ser uma tendência, mas não se confirmou até agora (no BB)", afirmou, após participar de congresso promovido pela Associação Nacional das Empresas de Recuperação de Crédito (Aserc).

Segundo ele, a concessão de crédito tanto para pessoa física quanto jurídica deverá desacelerar seu ritmo de crescimento no próximo ano na comparação com 2011. Sem projetar números, Telles avaliou, porém, que o crédito bancário vai continuar crescendo, mas numa magnitude menor. "O que percebemos é que não vai haver (em 2012) um aumento na velocidade que tínhamos até 2010 e também neste ano."

Em relação aos níveis de inadimplência do banco, Telles ressaltou que, em caso de um novo acirramento da crise internacional, a situação pode mudar. "Se a crise vier na intensidade que alguns analistas projetam, sem dúvida, vai se refletir no aumento da inadimplência", disse.

Telles comentou que algumas empresas de pequeno porte no Brasil até hoje não se recuperaram completamente das consequências da crise de 2008. "As pequenas (empresas) sentem mais e demoraram mais a se recuperar. Por isso, há um descolamento na inadimplência entre a pessoa física, que está totalmente normalizada, e a jurídica."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.