Inadimplência no crédito livre sobe para 5,1% em maio, diz BC

Essa é a maior taxa de inadimplência desde maio do ano passado, quando foi também de 5,1%

Fábio Graner e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 10h54

A inadimplência no crédito com recursos livres atingiu em maio 5,1%, ante 4,9% em abril, segundo dados divulgados há pouco pelo Banco Central em sua nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro. Essa é a maior taxa de inadimplência desde maio do ano passado, quando foi também de 5,1%.

O índice de não pagamentos de empréstimos com prazos superiores a 90 dias nas operações com pessoas físicas passou de 6,1% em abril para 6,4% em maio. A taxa para pessoas físicas é a maior desde junho do ano passado (6,5%). Nas operações com as empresas, o índice de inadimplência subiu de 3,7% para 3,9%.

O prazo médio do crédito livre ficou estável em maio, em 476 dias. O prazo nas operações para pessoas físicas subiu de 567 dias em abril para 570 dias em maio, enquanto para pessoas jurídicas recuou de 391 dias para 388 dias em maio. 

Alta da inadimplência

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel, afirmou há pouco que o aumento da inadimplência era esperado em função da elevação das taxas de juros e inflação mais alta no início do ano, fatores que aumentam o comprometimento de renda das famílias. Segundo ele, os atrasos nos pagamentos de crédito de até 90 dias antecipavam a alta da inadimplência.

Maciel acredita que haverá uma reversão no movimento de alta no segundo semestre de 2011. "A tendência desse movimento é de acomodação da taxa de inadimplência, porque estamos tendo expansão da economia, da renda e do emprego", afirmou. Maciel afirmou que, pelo histórico do BC, as taxas ainda estão dentro de um padrão normal.

Ele destacou que a taxa de inadimplência em maio, de 5,1%, é a mesma de maio do ano passado. Para pessoas físicas, ficou mais baixa: 6,4% no mês passado e 6,8% em maio de 2010. 

Tudo o que sabemos sobre:
inadimplênciacréditoBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.