InBev busca troca do conselho da Anheuser-Busch

A cervejaria belgo-brasileira InBevquer substituir o conselho de administração da Anheuser-Buschpara assegurar a aquisição da rival por 46,3 bilhões dedólares, informou a InBev nesta segunda-feira. A companhia vai encaminhar documento ao órgão regulador domercado acionário dos Estados Unidos (Securities and ExchangeCommission) nesta terça-feira, para remover todos os membros doconselho de diretores da Anheuser-Busch, informou a InBev emcomunicado ao mercado. Segunda maior cervejaria do mundo em volume, a InBevinformou que quer dar aos acionistas uma oportunidade de teremparticipação direta na proposta de aquisição da fabricante daBudweiser. A InBev informou que encaminhou processo no mês passado emum tribulnal de Delaware para confirmar que os acionistas podemremover todos os 13 membros do conselho da Anheuser-Busch. A empresa também anunciou sua própria proposta de conselho,que incluiria Adolphus Busch IV, um tio do atualpresidente-executivo da cervejaria norte-americana esimpatizante da oferta da InBev. Uma porta-voz informou que a InBev busca membros doconselho que poderiam ter julgamento independente para agiremno melhor interesse dos acionistas da Anheuser-Busch. Em 11 de junho, a InBev lançou oferta de compra dacervejaria norte-americana por 65 dólares por ação. A propostarepresenta um ágio de 18 por cento sobre o valor recorde dospapéis da Anheuser-Busch, atingido em outubro de 2002. A Anheuser-Busch rejeitou a proposta no mês passado e aomesmo tempo lançou um plano de corte de custos de 1 bilhão dedólares e melhora de lucro em um esforço para persuadirinvestidores de que a oferta da InBev é muito baixa. O presidente-executivo da InBev, o brasileiro Carlos Brito,respondeu a ambos os pontos no comunicado desta segunda-feira."Acreditamos que a oferta de nossa empresa de 65 dólares poração reflete o valor completo e justo da Anheuser-Busch e é umaproposta atraente aos investidores", afirmou Brito. O executivo afirmou que o plano da Anheuser-Busch "envolveriscos de execução significativos e faz pouco para atender adesafios competitivos fundamentais que a companhia enfrenta emuma indústria cada vez mais global". A InBev informou que não poderia estimar quanto tempolevaria a troca do conselho da rival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.