InBev compra Bud e cria a maior cervejaria do mundo

Belgo-brasileira se funde com a norte-americana Anheuser-Busch por US$ 52 bi, ou US$ 70 por ação

Reuters e Agência Estado,

14 de julho de 2008 | 07h12

A cervejaria norte-americana Anheuser-Busch aceitou a oferta de compra, no valor de US$ 52 bilhões, feita pela belgo-brasileira InBev para criar a maior cervejaria do mundo e uma das cinco maiores companhias de produto de consumo. A Inbev, que fabrica cervejas como a Stella Artois e a Beck's, aceitou pagar US$ 70 por ação para a fabricante da Budweiser, acima do valor inicialmente ofertado de US$ 65 por ação, afirmaram as duas empresas nesta segunda-feira, 14.   Veja também:  Ação da AmBev dispara após acordo da InBev com Bud  InBev eleva oferta e Anheuser deve aceitar venda, afirma 'WSJ'  Anheuser-Busch entra com ação judicial contra a InBev  InBev busca troca do conselho da Anheuser-Busch A oferta melhorada representa um prêmio de 27% sobre o valor recorde das ações da Anheuser, registrado em outubro de 2002. A nova empresa será chamada Anheuser-Busch InBev. A operação foi aprovada pelo conselho de diretores das duas companhias.    A transação coloca um fim amigável para negociações que pareciam cada vez mais hostis. O resultado vem um mês depois de a InBev oferecer US$ 65 por ação da Anheuser, valor que a companhia norte-americana rejeitou. A InBev, então, começou a tomar medidas para substituir o conselho de diretores da Anheuser, o que forçaria seus executivos a negociar com a cervejaria belgo-brasileira.   Para justificar a proposta mais alta, a InBev afirmou que a companhia combinada pode cortar custos em, no mínimo, US$ 1,5 bilhão até 2011. O acordo aumentará os ganhos por ação dos atuais acionistas da InBev a partir de 2010, segundo a empresa.   A companhia também quer aumentar as vendas da Budweiser fora dos Estados Unidos e de marcas próprias, como a Stella Artois e a Beck's, dentro dos Estados Unidos. A InBev, no entanto, não forneceu uma meta para quanto pretende elevar as vendas. Executivos da InBev combinaram com sucesso a cervejaria belga Interbrew com a brasileira Ambev para formar a InBev. Os custos foram reduzidos em mais de 20% desde 2006, o primeiro ano completo do acordo.     Liderança   A nova empresa será diversificada geograficamente, com posição de liderança em mercados importantes como China, Estados Unidos, Rússia, Brasil e Alemanha. "Estamos muito satisfeitos em anunciar essa histórica transação hoje, que une duas companhias que compartilham uma rica história de tradições cervejeiras", declarou o presidente-executivo da InBev, o brasileiro Carlos Brito.   Com base nos números de 2007, a empresa combinada teria gerado volumes globais de 460 milhões de hectolitros, receita de US$ 36,4 bilhões e geração de caixa medida pelo Ebitda de US$ 10,7 bilhões. A sede da Anheuser-Busch InBev na América do Norte será em Saint Louis, no Missouri (EUA). As duas empresas informaram que, em conseqüência da pouca sobreposição geográfica entre os dois negócios, todas as fábricas da Anheuser-Busch nos EUA permanecerão abertas.   O presidente e presidente-executivo da Anheuser-Busch, August Busch IV, afirmou que o acordo traz novas oportunidades para a Anheuser e para seus negócios, marcas e empregados. "Esse acordo fornece valor adicional e correto para os acionistas da Anheuser-Busch, enquanto aumenta o acesso aos mercados globais para a Budweiser, uma das marcas ícones na América."

Mais conteúdo sobre:
InbevAnheuser-Busch

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.