Incêndio aumenta, e Shell fecha sua maior refinaria no mundo

A Royal Dutch Shell Plc está parando as operações de sua refinaria em Cingapura e pode fechar também todo o complexo químico ligado a ela, pois os bombeiros continuam lutando para controlar um incêndio que já dura um dia.

REUTERS

29 de setembro de 2011 | 10h30

A refinaria, com capacidade para processar 500.000 barris diários de petróleo, é a maior da Shell no mundo e responde por mais de um terço da capacidade de refino da cidade-Estado de Cingapura.

"Estamos focados na segurança, dando andamento a um fechamento gradual da refinaria", afirmou o vice-presidente de operações de produção da Shell, Martijn van Koten.

Fechar toda a refinaria demorará dois dias, afirmou Van Koten. O presidente de conselho da Shell Cingapura, Lee Tzu Yang, afirmou que a companhia não declarou força maior nos embarques de produtos.

O incêndio começou quarta-feira às 02:15 (no horário de Brasília) e voltou a ganhar força nesta quinta-feira, segundo a Shell.

Cingapura é um mercado crítico para combustíveis na Ásia e muitos negócios com derivados na região são referenciados pelos preços negociados no território.

(Por Luke Pachymuthu e Yaw Yan Chong)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIASHELL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.