Índice de atividade cai, mas confiança do consumidor sobe nos EUA

Indicador de atividade industrial do Fed de Richmond teve queda em abril, enquanto índice de confiança do consumidor subiu acima do esperado

Danielle Chaves e Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

26 de abril de 2011 | 11h16

O índice regional de atividade do setor de manufatura do Fed de Richmond caiu para 10 em abril, de 20 em março, informou a distrital do Fed. O índice de embarques do setor de manufatura cedeu para 6 em abril, de 23 em março.

O índice de receitas no segmento de serviços subiu para 28 em abril, de 14 em março; o índice de receitas no varejo avançou para 24 em abril, de -12 em março.

Confiança do consumidor

O índice de confiança do consumidor dos EUA medido pelo Conference Board subiu para 65,4 em abril, do dado revisado de março de 63,8, calculado inicialmente como 63,4. A leitura de abril ficou levemente acima do índice de 65 esperado pelos economistas consultados pela Dow Jones.

As expectativas dos consumidores para a atividade econômica durante os próximos seis meses aumentaram para 82,6 em abril, de 81,3 em março, que havia sido estimado em 81,1. O índice de situação presente avançou para 39,6, de 37,5, originalmente calculado em 36,9.

A pesquisa mostrou que as expectativas de inflação são de taxa de 6,3% nos próximos 12 meses. Em março, os consumidores esperavam inflação de 6,7%.

Segundo o Conference Board, 41,8% dos consumidores acreditam que está "difícil de encontrar" emprego neste mês, menos do que 44,4% em março, enquanto 5,2% acreditam que os empregos são "abundantes", de 4,6% no mês passado.

No entanto, a porcentagem de consumidores que esperam mais empregos nos próximos meses diminuiu para 17,5%, de 19,6%, enquanto a proporção dos que esperam menos empregos recuou para 19,0%, de 20,5%.

Os consumidores estão mais otimistas sobre as perspectivas com a renda. A pesquisa mostrou que 16,7% deles acreditam em um aumento na renda nos próximos seis meses, de 15,2% em março, e apenas 14,0% esperam queda na renda, de 15,5% no mês passado. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.