Índices têm melhor trimestre em mais de dois anos

As ações dos Estados Unidos fecharam a última sessão de seu trimestre mais forte em mais de dois anos com um tom positivo, lideradas pelos setores de bens de consumo, que recentemente teve performances fracas, e de saúde.

RODRIGO CAM, REUTERS

30 de março de 2012 | 19h30

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,50 por cento, para 13.212 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,37 por cento, para 1.408 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,12 por cento, para 3.091 pontos.

Apesar de ter fechado em queda em seis das últimas nove sessões, o S&P 500 ganhou 12 por cento no primeiro trimestre, seu melhor início de ano desde 1998 e seu melhor trimestre desde o terceiro trimestre de 2009. A média do mercado amplo está próxima a máximas em quatro anos.

A ação da Apple, que recuou 1,7 por cento, para 599,55 dólares, esteve entre as de piores performances do dia e indicou a direção do Nasdaq. Ainda assim, o papel da fabricante do iPhone disparou 48 por cento neste trimestre para fechar com um valor de mercado de 558,9 bilhões de dólares.

Investidores se direcionaram nessa sexta-feira a ações relacionadas a consumo, após dados mostrarem que os gastos de consumidores nos Estados Unidos cresceu o máximo em sete meses em fevereiro, embora a renda pessoal tenha aumentado apenas modestamente.

O índice do setor de bens de consumo do S&P 500 subiu 0,65 por cento na sessão desta sexta-feira.

O índice do setor de saúde do S&P 500, que avançou 8,4 por cento no trimestre -um avanço relativamente baixo- fechou em alta de 0,75 por cento nesta sexta-feira.

Ações relacionadas a energia, que recentemente tiveram performances fracas, também subiram, com o índice de serviços de petróleo PHLX tendo alta de 1,7 por cento no dia. No trimestre, o índice saltou 10,1 por cento.

O índice do setor de tecnologia do S&P 500, que avançou 21,1 por cento neste trimestre, foi o único dos 10 principais setores do S&P 500 a fechar a sessão em baixa. O índice caiu 0,36 por cento.

"Se não há nenhuma notícia realmente ruim e o Fed está injetando dinheiro na economia, os mercados tendem a avançar", disse John Manley, chefe de estratégia acionária no Wells Fargo Funds Management em Nova York.

Uma política monetária de ultra-afrouxamento da parte do Federal Reserve, que manteve os juros em mínimas históricas, é amplamente vista como um dos motores do recente rali em ações.

Olhando adiante, Manley disse que o setor de tecnologia pode continuar a liderar o mercado a altas.

"O ciclo completo de upgrades não foi concluído ainda, e empresas ainda estão se atualizando em relação a tecnologias", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.