Inflação ao consumidor no Reino Unido sobe 0,6% em março

Em relação a março do ano passado, houve aumento de 3,4%

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de abril de 2010 | 09h29

Os preços ao consumidor do Reino Unido subiram mais do que o esperado em março, desafiando a previsão do Banco da Inglaterra (BOE) de que a inflação vai diminuir neste ano. Segundo dados do Escritório para Estatísticas Nacionais, o índice de preços ao consumidor (CPI) britânico subiu 0,6% em março ante fevereiro e 3,4% ante março do ano passado.

 

Economistas esperavam aumentos menores, de 0,3% no mês e de 3,1% no ano, de acordo com uma pesquisa da Dow Jones. De todo modo, os economistas mantêm a opinião de que o grande volume de capacidade ociosa na economia do Reino Unido, enquanto ela emerge da recessão, vai eventualmente reduzir a taxa de inflação para a meta do BOE, de 2%.

 

O índice de preços no varejo avançou 4,4% em março, na comparação com março de 2009 - a maior taxa anual desde setembro de 2008 e acima das estimativas do mercado de alta de 4,2%. O núcleo da inflação anual - que exclui os voláteis preços de energia, alimentos, álcool e tabaco - subiu 3,0% em março, de 2,9% em fevereiro. Economistas previam alta de 2,8%.

 

A inflação vem crescendo nos últimos meses, em consequência da restauração do imposto sobre valor agregado de 17,5%, no início deste ano, dos maiores preços do petróleo e da desvalorização da libra. No entanto, o BOE tem mantido as taxas de juros no nível mínimo recorde de 0,5% desde março do ano passado e injetou 200 bilhões de libras na economia por meio de uma política de afrouxamento quantitativo, com intenção de dar suporte ao crédito e manter a inflação na meta.

 

O BOE suspendeu o afrouxamento quantitativo em fevereiro, mas deixou a porta aberta para a extensão do programa se a economia não se recuperar rapidamente, como esperado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoinflaçãoCPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.