Inflação ao consumidor perde força, diz FGV

Após seis semanas em aceleração, a inflação mensurada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) perdeu força. O índice subiu 1,04% até a quadrissemana finalizada em 15 de fevereiro, taxa menor  do que a apurada no IPC-S imediatamente anterior, de até 7 de fevereiro (1,33%). É o caso de Alimentação (de 1,69% para 1,45%); Habitação (de 0,29% para 0,28%); Vestuário (de 0,01% para -0,23%); Educação, Leitura e Recreação (de 2,63% para 1,12%); e Transportes (de 3,81% para 3,13%).

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2010 | 08h49

 

Conforme dados divulgados há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), das sete classes de despesa usadas para cálculo do indicador, cinco apresentaram decréscimos em suas taxas de variação de preços, da primeira para a segunda quadrissemana de fevereiro.

 

Apenas duas classes de despesa apresentaram aceleração de preços, no período. É o caso de Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,33% para 0,45%); e de Despesas Diversas (de 0,45% para 0,54%).

 

Ao analisar a movimentação de preços entre os produtos, a FGV informou que as altas mais expressivas foram registradas em tarifa de ônibus urbano (6,28%); gasolina (2,04%); e manga (33,78%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em passagem aérea (-13,66%); limão (-20,43%); e óleo de soja (-3,45%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPCFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.