Inflação do aluguel é de 0,45% em abril, diz FGV

Em março, IGP-M havia registrado alta de 0,62%; em 12 meses, indicador acumula alta de 10,60%

Kelly Lima, da Agência Estado,

28 de abril de 2011 | 08h32

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou inflação de 0,45% em abril, o que indica uma desaceleração ante a taxa de 0,62% do mês anterior, segundo informou nesta quinta-feira, 28, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Economistas esperavam uma taxa de 0,47% a 0,65%. A mediana das previsões estava em 0,56%. No acumulado de 2011, o IGP-M registra alta de preços de 2,89% e, nos 12 meses encerrados em abril, aumento de 10,60%.

Entre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo - Mercado (IPA-M) apresentou alta de 0,29% em abril, ante taxa foi de 0,65% no mês anterior. Já o Índice de Preços ao Consumidor - Mercado (IPC-M) apresentou variação positiva de 0,78% em abril, ante alta de 0,62% em março. O Índice Nacional do Custo da Construção - Mercado (INCC-M) registrou em abril alta de 0,75%, após ter subido 0,44% em março. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que compõe o IGP-M, apresentou variação positiva de 0,78%, em abril, ante alta de 0,62% no mês anterior. Dentro do indicador, cinco dos sete grupos componentes do índice registraram acréscimos em suas taxas de variação, com destaque para Transportes (1,15% para 1,75%). As principais influências partiram dos itens: gasolina (0,89% para 4,32%) e álcool combustível (6,73% para 13,45%).

A FGV apontou ainda que também apresentaram altas em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (0,69% para 0,87%), Vestuário (0,78% para 1,02%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,62% para 0,86%) e Educação, Leitura e Recreação (0,18% para 0,39%). Nestes grupos, os destaques foram: carnes bovinas (-2,47% para +0,08%), calçados (0,07% para 1,20%), medicamentos em geral (0,33% para 1,56%) e passagem aérea (-9,28% para 2,64%).

Em sentido oposto, apresentaram quedas em suas taxas de variação os grupos: Habitação (0,47% para 0,37%) e Despesas Diversas (0,49% para 0,45%). Na classe de despesas diversas, a FGV destaca o comportamento dos preços do aluguel residencial, que desacelerou, passando de um alta de 0,75% para 0,08%.

Matérias-primas brutas

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que dentro do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), no estágio inicial da produção, o índice de matérias-primas brutas teve uma redução de 0,57% em abril, ante uma alta de 0,61% em março. Os principais responsáveis pela desaceleração da alta dos preços no grupo foram os itens: algodão em caroço (+8,81% para -3,96%), laranja (+5,00% para -13,65%) e café em grão (11,58% para 2,39%).

Já as principais acelerações das altas nos preços, fim de deflação ou queda menos intensa foram registradas em: soja em grão (-6,20% para -2,85%), suínos (-9,73% para +7,89%) e cana-de-açúcar (1,25% para 3,88%).

INCC

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou em abril variação positiva de 0,75%, acima do resultado de março, de +0,44%. O INCC compõe o IGP-M divulgado há pouco pela FGV.

Dos três grupos componentes do indicador, apenas mão de obra apresentou aceleração da alta de preços, tendo a taxa avançado de 0,27% em março para 1,16%, em abril. No sentido inverso, a taxa do grupo material e equipamentos passou de 0,64% para 0,40%, no período, enquanto o grupo serviços desacelerou a alta de 0,46% para 0,21%.

No acumulado do ano, o INCC acumula alta de 1,96% e em 12 meses, a alta é de 7,01%.

Tudo o que sabemos sobre:
preçosinflaçãoIGP-MFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.