Inflação do aluguel se acelera para alta de 1,02% na 1ª prévia do mês

Até a primeira prévia de setembro, o índice acumula aumentos de 3,20% no ano e de 3,90% em 12 meses 

Antonio Pita, da Agência Estado,

10 de setembro de 2013 | 08h32

RIO - A primeira prévia do Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) de setembro, que mede a inflação do aluguel, acelerou para 1,02%, ante alta de 0,13%, em igual prévia no mês passado, informou, nesta terça-feira, 10, a Fundação Getulio Vargas (FGV). A taxa anunciada hoje ficou acima do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam de alta de 0,53% a 0,93%.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem a primeira prévia do IGP-M de setembro. O IPA-M subiu 1,42% na primeira prévia do índice este mês em relação à alta de 0,15% na primeira prévia de agosto. O IPC-M apresentou alta de 0,20% na prévia anunciada hoje, após cair 0,04% na primeira prévia de agosto. Já o INCC-M repetiu o resultado da prévia de agosto, registrando alta de 0,33%.

O IGP-M é muito usado para reajuste no preço do aluguel. Até a primeira prévia de setembro, o índice acumula aumentos de 3,20% no ano e de 3,90% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da primeira prévia do IGP-M de setembro foi do dia 21 e 31 do mês de agosto.

Aceleração

A forte aceleração na inflação medida pela prévia do IGP-M de setembro, de 1,02% ante 0,13% em agosto, foi generalizada. Entre os subitens do indicador, apenas o segmento de Bens Finais, que integra o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), apresentou deflação. Na prévia de setembro, o item recuou para -0,16% ante alta de 0,20%, na prévia de agosto. A deflação foi causada, principalmente, pelos alimentos in natura, que caíram de -1,95% para -5,21%.

No outro vetor, no IPA, o índice referente à Matérias Primas Brutas registrou a maior alta, com 3,30% na prévia de setembro ante -0,97% na prévia de agosto. A soja foi o item que apresentou a maior alta na variação com agosto, de 9,72% ante queda de 2,82%. Também caíram minério de ferro (-4,14% para 2,79%) e milho (em grão) (-5,52% para 1,02%).

Já no Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que teve alta de 0,20% em setembro ante queda de 0,04% em agosto, a aceleração da inflação foi registrada em cinco das oito classes de despesas. A principal foi Alimentação (-0,22% em agosto para 0,21% em setembro). De acordo com a FGV, Refeição em Bares e Restaurantes teve forte impacto no índice, com alta de 1,40% na prévia de setembro ante 0,44% em agosto. O item frutas também chamou atenção - a taxa passou de -3,48% para 1,82%.

Também houve alta nos grupos de vestuário (-1,51% para -0,11%), Habitação (0,20% para 0,38%), Educação, Leitura e Recreação (0,30% para 0,52%) e Despesas Diversas (0,18% para 0,31%).

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) se manteve estável em relação à prévia de agosto, mas em setembro alguns itens tiveram variação, Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,70% ante 0,59% no mês anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
IGPMinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.