Inflação e juros assustam investidores da Índia

Apenas em janeiro, os fundos estrangeiros tiraram US$ 900 milhões de ações do país

Reuters,

28 de janeiro de 2011 | 07h23

A inflação mais alta e aumentos de juros estão começando a prejudicar as margens das empresas da Índia, levando mais gestores de fundos estrangeiros a procurar outros mercados que possam lucrar mais com a recuperação econômica mundial.

Com a perspectiva de que os preços de alimentos e energia não devam desacelerar no curto prazo, administradores de fundos calculam que o êxodo deve durar mais alguns meses. Apenas em janeiro, os fundos estrangeiros tiraram US$ 900 milhões de ações da Índia.

"A visão é de que a Índia enfrenta um ano difícil", disse Michael Penn, estrategista-chefe do BoA/ML. O principal problema é a inflação, com as altas de custos de alimentos em dois dígitos, correndo o risco de contagiar o restante da economia. Para contornar a situação, o banco central elevou a taxa de juros nesta semana, pela sétima vez desde março, para 6,5%.

Outra alta, entre 0,75 e 1 ponto porcentual, deve ocorrer, com implicações para o gasto do consumidor e as margens corporativas. Michael Konstantinov, que administra US$ 3 bilhões em ações dos Brics - Brasil, Rússia, Índia e China - na Allianz RCM, recentemente diminui a posição em ativos da Índia, dando preferência à Rússia.

"Você tem... pressão da inflação e, do lado monetário, há a alta dos preços do petróleo. Então há muitos motivos para reduzir a posição."

(Por Sujata Rao e Ami Shah)

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoÍndiajurosinvestidores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.