Inflação pelo IGP-M acelera com atacado e varejo em alta

Taxa, muito usada no cálculo de reajustes de aluguel, acumula até janeiro aumento de 11,50% em 12 meses

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

28 de janeiro de 2011 | 08h11

A inflação medida pelo IGP-M subiu 0,79% em janeiro deste ano, após apresentar alta de 0,69% em dezembro do ano passado. A informação foi anunciada nesta sexta-feira, 28, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A taxa mensal ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre 0,68% e 0,88%, mas foi superior à mediana das projeções (0,75%).

A FGV anunciou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-M de janeiro. O IPA-M subiu 0,76% no primeiro mês do ano, após apresentar alta de 0,63% em dezembro. Por sua vez, o IPC-M apresentou alta de 1,08% este mês, em comparação com a elevação de 0,92% em dezembro. Já o INCC-M registrou elevação de 0,37% em janeiro, após subir 0,59% em dezembro.

A taxa acumulada do IGP-M é muito usada no cálculo de reajustes de aluguel. Até janeiro, o indicador acumula aumento de 11,50% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M de janeiro foi do dia 21 de dezembro a 20 de janeiro.

Setor agrícola

A inflação no setor agrícola ganhou força no atacado. Os preços dos produtos agrícolas subiram 1,27% em janeiro, em comparação com a alta de 1,15% em dezembro, no âmbito do IGP-M. De acordo com a fundação, ainda no atacado, os preços dos produtos industriais também aceleraram, com aumento de 0,57% em janeiro, em comparação com a elevação de 0,44% em dezembro.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 0,08% em janeiro, em comparação com a queda de 0,46% em dezembro. Por sua vez, os preços dos bens intermediários registraram aumento de 0,78% em janeiro, após apresentarem taxa positiva de 0,83% em dezembro. Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram alta de 1,50% no primeiro mês do ano, em comparação com o aumento de 1,66% em dezembro.

Atacado

A inflação atacadista apurada pelo IPA-M acumula em 12 meses alta de 14,18% até janeiro segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Hoje, a FGV anunciou o IGP-M de janeiro - sendo que o IPA-M representa 60% do total do IGP-M.

De acordo com a fundação, os preços dos produtos agrícolas acumulam aumento de 27,02% em 12 meses no âmbito do IGP-M. Já os preços dos produtos industriais registraram elevação de 10,14% em 12 meses.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 6,26% em 12 meses até janeiro. Por sua vez, os preços dos bens intermediários tiveram aumento de 8,16% em 12 meses. Já os preços das matérias-primas brutas acumularam elevação de 35,66% em 12 meses, até janeiro.

A FGV informou ainda que, entre os produtos pesquisados no atacado, as altas de preços mais expressivas em janeiro dentro do IGP-M foram registradas em café em grão (9,30%); algodão em caroço (9,42%); e milho em grão (2,89%). Já as mais expressivas quedas de preço, no atacado em janeiro, foram apuradas em carne bovina (-5,17%); feijão em grão (-15,38%); e bovinos (-1,62%).

Varejo

No varejo, a inflação junto ao consumidor medida pelo IPC-M acumula alta de 6,18% em 12 meses até janeiro, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Hoje, a FGV anunciou o IGP-M de janeiro - sendo que o IPC-M representa 30% do total do IGP-M.

Segundo a FGV, a aceleração na taxa do IPC-M, de dezembro para janeiro (de 0,92% para 1,08%) foi influenciada principalmente por taxas de inflação mais intensas em quatro das sete classes de despesa pesquisadas. É o caso de saúde e cuidados pessoais (de 0,48% para 0,53%); educação, leitura e recreação (de 0,42% para 2,75%); transportes (de 0,57% para 1,94%); e despesas diversas (de 0,44% para 0,95%).

Já as três classes restantes apresentaram desaceleração de preços. É o caso de alimentação (de 1,96% para 1,47%); habitação (de 0,43% para 0,22%); e vestuário (de 0,87% para 0,35%). Ao analisar a movimentação de preços no âmbito dos produtos pesquisados, a FGV informou que as altas de preço mais expressivas no varejo, no IGP-M de janeiro, foram registradas tarifa de ônibus urbano (3,89%); tomate (37,65%); e curso de ensino fundamental (5,96%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em limão (-25,22%); feijão carioquinha (-16,33%); e passagem aérea (-8,06%).

Construção civil

A inflação na construção civil medida pelo INCC-M acumula alta de 7,42% em 12 meses até janeiro, segundo informou FGV. Hoje, a FGV anunciou o IGP-M de janeiro - sendo que o INCC-M representa 10% do total do IGP-M. De acordo com a fundação, a desaceleração de preços no setor, medida pela taxa do INCC-M, de dezembro para janeiro (de 0,59% para 0,37%), foi influenciada por perda de força na inflação da mão de obra (de 1,08% para 0,32%) no mesmo período.

Entre os produtos pesquisados na construção, a FGV informou que as altas de preço mais expressivas no setor foram registradas em vale transporte (4,87%); condutores elétricos (4,11%); e taxas de serviços e licenciamentos (2,85%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em vergalhões e arames de aço ao carbono (-1,20%); metais para instalações hidráulicas (-0,15%); e tubos e conexões de ferro e aço (-0,17%).

(Texto atualizado às 9h02)

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
IGP-MpreçosatacadoFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.