ING lucra US$ 100,5 mi no 2º tri, após 3 trimestres de prejuízo

Ganhos foram 96,3% menor que no mesmo período no ano passado; especialistas previam lucro maior do banco

Marcílio Souza, da Agência Estado,

12 de agosto de 2009 | 10h16

Depois de três trimestres seguidos de prejuízos, o banco holandês ING obteve lucro líquido de 71 milhões de euros (US$ 100,5 milhões) no segundo trimestre deste ano, 96,3% menor que o de 1,92 bilhão de euros registrado em igual período do ano passado. O resultado veio muito melhor que o prejuízo líquido de 793 milhões de euros anunciado no primeiro trimestre, mas ficou abaixo da previsão média de analistas, que era de lucro de 388 milhões de euros.

 

O desempenho do banco foi pressionado pela baixa contábil de 584 milhões de euros no valor de seu portfólio imobiliário e por provisões de 852 milhões de euros para possíveis perdas em sua carteira de crédito.

 

O ING, que recebeu um aporte de capital de 10 bilhões de euros do governo holandês em outubro do ano passado e garantias de 27,7 bilhões de euros sobre parte de sua carteira de hipotecas em janeiro, já conseguiu cortar 8.219 empregos até o final do segundo trimestre, superando sua meta de 7 mil cortes para o final do ano. O grupo também está tentando vender ativos no valor de 6 bilhões a 8 bilhões de euros.

 

O banco afirmou que vê os primeiros sinais de recuperação nos mercados financeiros, mas acredita que as condições econômicas deverão seguir desafiadoras "por algum tempo". O grupo elevou sua meta de economias de custo de 1 bilhão para 1,3 bilhão de euros e disse que não pagará dividendos referentes ao primeiro semestre. Em teleconferência, o executivo-chefe, Jan Hommen, disse que ainda é cedo demais para dizer se o banco vai pagar dividendo sobre os resultados anuais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
INGbanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.