Inovações e Carnaval impulsionam vendas da Ambev no Brasil no 1º tri

No total, o volume de vendas da empresa no País foi de 28,845 milhões de hectolitros, alta de 4,8% ante o mesmo período de 2011 

Suzana Inhesta, da Agência Estado,

30 de abril de 2012 | 08h53

Apesar do clima desfavorável (tempo chuvoso e temperaturas mais amenas) e um nível de impostos mais alto, as inovações no portfólio de bebidas e o feriado do Carnaval impulsionaram as vendas da Ambev no Brasil no primeiro trimestre do ano. No total, o volume de vendas da empresa no País foi de 28,845 milhões de hectolitros, alta de 4,8% ante os 27,519 milhões de hectolitros de janeiro a março de 2011.

A receita líquida da operação Brasil avançou 6,8%, passando de R$ 4,595 bilhões para R$ 4,906 bilhões. "Inovação continua a ser fundamental para a nossa estratégia de expansão de receita, sendo que Antarctica Sub-Zero e Skol 360 trouxeram as maiores contribuições para o aumento do volume mainstream, enquanto Budweiser e Stella Artois continuaram a impulsionar o crescimento das nossas marcas premium", explica o presidente da Ambev, João Castro Neves, em relatório de resultado.

Além de inovação, que se refere a novos produtos e embalagens, o desempenho comercial no Carnaval também foi destacado pelo executivo, principalmente os investimentos e ações ligados às marcas Skol, Brahma e Antarctica.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) normalizado teve alta de 5,9%, para R$ 2,474 bilhões, com margem de 50,4%, 0,4 pontos porcentuais a mais do que a do primeiro trimestre de 2011. A receita líquida por hectolitro (ROL/hl) ficou em R$ 170,1, alta de 1,9%, enquanto o Custo do Produto Vendido (CPV) aumentou 7,2% e o CPV por hectolitro avançou 2,2%. "Os ganhos nos hedges de moeda e a comparação favorável devido às latas importadas em cerveja, compensaram apenas parcialmente os maiores custos de embalagens e matérias-primas, principalmente PET e açúcar", justifica a companhia.

Cerveja

O volume vendido de cerveja da Ambev no País aumentou 4% no primeiro trimestre, passando de 20,761 milhões de hectolitros para 21,585 milhões de hectolitros. Em receita, o montante foi de R$ 4,133 bilhões, 6,1% superior aos R$ 3,895 bilhões de janeiro a março de 2011. O Ebitda normalizado avançou 6,4%, para R$ 2,147 bilhões, com margem de 52%, expansão de 0,2 ponto porcentual.

O maior volume deve-se ao aumento de 0,7 ponto porcentual na participação média da Ambev no mercado nacional de cervejas, que ficou em 69%. A receita líquida por hectolitro (ROL/hl) aumentou 2,1%, para R$ 191,50. O Custo do Produto Vendido (CPV) avançou 3,4%, para R$ 1,123 bilhão e o CPV por hectolitro diminuiu 0,5%, para R$ 52,10, devido ao menor gasto com importação de latas.

Refrigerantes e bebidas não alcoólicas

O avanço de 0,4 p.p. na participação média da Ambev no mercado nacional de refrigerantes, para 18,1% permitiu à empresa registrar avanço de 7,4% nos volumes vendidos, para 7,260 milhões de hectolitros no primeiro trimestre do ano. Em receita, o aumento foi de 10,3%, passando de R$ 700,3 milhões para R$ 772,7 milhões. O Ebitda normalizado da divisão somou R$ 326,8 milhões, alta de 2,8%, com margem de 42,3%, queda de 3,1 pontos porcentuais.

A ROL/hl aumentou 2,7%, para R$ 106,40. O CPV avançou 21,2%, para R$ 353,7 milhões e o CPV por hectolitro teve alta de 12,9%, para R$ 48,70. 

Tudo o que sabemos sobre:
Ambevcervejabebidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.