Denise Andrade
Denise Andrade

Instituto Olga Kos lança programa para avaliar o ‘S’ do ESG das empresas

Método da entidade foi validado pelo Inmetro e vai classificar ações sociais de companhias em cinco níveis de uma ‘escala cidadã’

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2022 | 13h37

O Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural (IOK) vai medir o desempenho das empresas em relação às práticas de inclusão social. Para fazer a análise, a instituição lançou a primeira métrica de avaliação sobre as ações sociais dentro do conceito ESG (sigla em inglês para as áreas ambiental, social e de governança). Ou seja: a ideia é ter uma regra para definir o alcance do “S” do ESG.

Com a validação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o selo Escala Cidadã Olga Kos terá 5 níveis e levará em conta 20 indicadores e 37 requisitos de avaliação, que buscam entender o quanto uma empresa é inclusiva para todos os tipos de diferenças, como gênero, idade, deficiência, etnia, religião, nacionalidade e orientação sexual, entre outros. 

“Nos outros tópicos da sigla ESG já existem métricas claras, mas quando nós olhamos para o social ainda não temos nada parecido no País”, afirma a responsável pelo departamento de pesquisa do Instituto, Natália Monaco.

O presidente do instituto, Wolf Kos, explica que o processo de desenvolvimento da métrica agora lançada começou há pelo menos dez anos e se deu pela dificuldade de entender e classificar se uma empresa tem boas práticas no tema.

Monitoramento 

A análise do desempenho será feito por meio da identificação, monitoramento e avaliação de como são as práticas de inclusão dentro das companhias, além de tentar identificar as principais barreiras para que esse projeto seja desenvolvido internamente. “Essa escala não é punitivista, é uma escala de orientação às empresas”, comenta Kos. 

Ainda segundo o presidente do instituto, além da certificação às empresas, a expectativa é construir uma base de dados que possa colaborar com a criação e aperfeiçoamento de políticas públicas voltadas à inclusão de pessoas com deficiência (PcDs) no mercado de trabalho, que é o foco principal do Instituto Olga Kos.

Na última quarta-feira, 1º de junho, o Inmetro formalizou a viabilidade do projeto. A partir de agora, as certificadoras que desejarem poderão oferecer este serviço às organizações interessadas em receber o Selo Olga Kos. As solicitações poderão ser feitas no site do Inmetro, por meio da Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.