Inteligência de dados nos processos de importação e exportação traz diferencial no comércio exterior
Conteúdo Patrocinado

Inteligência de dados nos processos de importação e exportação traz diferencial no comércio exterior

Plataforma da Descartes traz agilidade a empresas ao reunir e analisar dados do mercado global

Descartes, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

06 de maio de 2022 | 08h00

Inteligência nos processos de importação e exportação com base em análise de dados concretos do mercado. Isso permite planejar com muito mais assertividade as decisões de uma organização, trazendo agilidade ao dia a dia e fazendo-a ganhar em eficiência, destacando-se no mercado. Colocar a tecnologia a serviço de gerar um enorme diferencial competitivo na área de comércio exterior, por meio de um completo e profundo trabalho de analytics dos fluxos de transporte, é a missão da canadense Descartes, por meio de sua solução integrada para a área, a plataforma Datamyne. 

“Essa informação é fundamental para a tomada de decisões. E saber quem está importando/exportando, de/para onde, a que preços, que quantidades, torna-se fundamental para as empresas envolvidas no negócio de comércio exterior”, explica Gustavo Montes, VP de Sales & Customer Support para América Latina da Descartes. 

O data lake provido pela plataforma é bastante robusto, abrangendo 76% das operações de comércio exterior (importações e exportações) de todo o mundo, vindas de cinco continentes e mais de 230 grandes hubs de operações. 

“Os dados abrangem todos os mercados e áreas de negócio. Qualquer empresa que atua no ramo de comércio exterior precisa ter acesso a eles. As informações são processadas e agregam valor para facilitar a análise e a tomada de decisões”, aponta Montes, destacando que tudo acontece em tempo real. “Assim que os dados são atualizados de forma oficial, a ferramenta também é atualizada, de acordo com o deadline de cada país.” 

Alguns dos setores que mais utilizam a plataforma são os seguintes: químico, agroquímico, alimentício, médico-hospitalar, farmacêutico, máquinas, eletrônicos e consumo em massa. Altamente escalável, a Datamyne permite que a mesma informação possa ser utilizada por diferentes funcionários dentro de uma empresa, como as áreas de compras, comércio exterior, vendas, logística, etc. 

A descoberta de tendências comerciais por meio dessa riqueza de dados abre o caminho para a aplicação deles em 360 graus dentro do negócio. “Através da Descartes Datamyne, você pode conhecer outras empresas que importam o mesmo produto, saber de quem estão comprando esses produtos, quais quantidades e a que preços. Tudo isso é fundamental para qualquer empresa do comércio exterior, e visualizado em questão de minutos acessando nosso banco de dados”, afirma Montes. 

Modular, a plataforma possibilita, por exemplo, a configuração de alertas personalizados por e-mail cada vez que um produto chega ao Brasil, por exemplo. Vários outros tipos de alertas e preferências também podem ser programados de acordo com o que o parceiro da Descartes deseja. “A informação é processada e disponibilizada aos nossos clientes através de um dashboard de fácil utilização, com acesso online 365 dias por ano”, destaca o VP. 

Ainda existe um componente de personalização da experiência, de acordo com a necessidade e a dimensão do negócio, o que é feito de forma colaborativa, segundo o executivo, dado o alto nível de inteligência de toda a solução. “Trabalhamos com cada um de nossos clientes para entender as necessidades e desafios que eles enfrentam, para ajudá-los a acessar e analisar as informações com base neles.” 

A Datamyne vem preencher uma lacuna aberta com a desativação de um sistema oficial, o Siscori, que pertencia à Receita Federal e foi desligado em dezembro do ano passado, sob alegação de economia de recursos. Porém, em tempos de mudanças nas relações globais de trabalho e comércio, a demanda por esse tipo de dado – preços, quantidades, unidades de desembaraço, tipos, origens e destinos de produtos – aumentou exponencialmente, sem contar o fato as cadeias logísticas ficarem mais sujeitas a alterações e interrupções, impondo uma necessidade ainda maior de resiliência por parte dos operadores. 

“Temos certeza de que quem analisa nossas informações tomará melhores decisões do que as empresas que não utilizam Datamyne”, conclui Montes. 

Você pode conhecer mais sobre a Descartes Datamyne clicando aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.