Invervenções no câmbio deveriam ser feitas em conjunto, diz BC do Canadá

'Intervenções unilaterais sem políticas de apoio raramente funcionam com sustentabilidade', disse o presidente do BC canadense

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

28 de outubro de 2010 | 10h34

O presidente do Banco do Canadá, Mark Carney, disse na  quarta-feira, 27, à noite que uma intervenção unilateral no mercado de câmbio "raramente funciona". Se um banco central intervém, deveria fazê-lo em cooperação com outros países, disse Carney em depoimento feito ao comitê bancário do Senado do Canadá. Ele defendeu que o banco central e o governo federal contemplem uma intervenção em dois cenários: de "quebra" do mercado de câmbio  - o que considera raro - e de "movimentos extremos" no mercado de moedas capazes de "colocar em sério risco as condições que apoiam o crescimento sustentável de longo prazo".

"Intervenções unilaterais sem políticas de apoio raramente funcionam com sustentabilidade", disse Carney. "Se as condições exigirem, podemos considerar uma ação com nossos parceiros das economias avançadas e das economias emergentes quando necessário. E sempre trabalharemos para garantir políticas subjacentes adequadas a esta ação".

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
CanadácâmbiodólarBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.