Investigação da Transocean culpa BP por vazamento no Golfo em 2010

Resultado contraria relatórios feitos por agências governamentais dos EUA que colocaram grande parte da responsabilidade pelo desastre sobre a Transocean, proprietária da plataforma

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

22 de junho de 2011 | 10h50

Uma investigação interna da Transocean culpa decisões da BP pelo enorme vazamento de petróleo na plataforma Deepwater Horizon, no ano passado, no Golfo do México. O resultado da investigação contraria dois relatórios anteriores feitos por agências governamentais dos EUA que colocaram uma grande parte da responsabilidade pelo desastre sobre a Transocean.

A Transocean era proprietária da plataforma, que estava perfurando o poço Macondo da BP em abril de 2010 quando o equipamento explodiu e afundou, matando 11 pessoas e provocando o pior vazamento de petróleo na história dos EUA. O poço expeliu 4,9 milhões de barris de petróleo antes de ser fechado.

De acordo com a investigação, a Transocean afirmou que o desenho do poço, a construção e outras decisões tomadas pela BP nas duas semanas que antecederam o incidente, agravaram a probabilidade do desastre.

A investigação alegou também que a BP sabia que a janela geológica para segurança da perfuração tinha se tornado incrivelmente estreita, afirmando especificamente que a companhia britânica estava preocupada que a pressão do poço superasse o gradiente de fratura e resultasse em perdas de fluido para a formação, custando dinheiro e comprometendo a produção futura de petróleo.

Além disso, a Transocean disse que a Halliburton, fabricante do cimento que estava sendo usado para selar o poço, e a BP não testaram adequadamente o programa de pasta de cimento, apesar dos riscos associados com o desenho do poço. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BPvazamentopetróleoGolfo do México

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.