Investigação de envolvidos no blecaute está apenas começando, diz Aneel

Segundo diretor da Aneel, estão sendo investigados também o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e outras sete empresas de transmissão

Leonardo Goy, da Agência Estado,

26 de março de 2010 | 17h24

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está apenas começando a investigação de todas as empresas e agentes envolvidos no blecaute que atingiu 18 Estados do País no dia 10 de novembro do ano passado. Segundo o diretor da Aneel, Edvaldo Santana, além de Furnas, que foi multada em R$ 53,7 milhões, os fiscais da Agência estão investigando a atuação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e de outras sete empresas de transmissão envolvidas.

 

O relatório relativo a Furnas, divulgado nesta sexta-feira, 26, pela Aneel, faz referência ao trabalho da ONS. Ao lembrar que havia previsão de tempestade na região das linhas de transmissão, o relatório diz: "como se pode observar, o ONS não estava adotando nenhuma medida adicional de segurança para operação do sistema em face de eventuais sinalizações de tempo severo".

 

O relatório continua afirmando que a geração de Itaipu foi reduzida entre as 14h e 19h daquele dia, devido à meteorologia, mas, por volta das 19h, em função da melhora do tempo, "o ONS decidiu elevar a geração da UHE Itaipu - 60 Hz para atendimento a ponta de carga do sistema interligado nacional, ficando acima do valor programado até o momento da ocorrência".

 

Em entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira, 26, Santana evitou fazer juízo de valor sobre outras punições a outros órgãos, como ONS e outras transmissoras. "Todos os envolvidos são investigados. Se serão multados ou não, depende da análise", disse. Ele lembrou que Furnas tem um prazo de 10 dias para recorrer da multa dentro da própria Superintendência de Fiscalização da Aneel. Caso a multa seja mantida, a empresa tem ainda possibilidade de recorrer à diretoria da Agência.

Tudo o que sabemos sobre:
apagãoONStransmissãoAneel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.