Investimento estrangeiro mundial cai 14,5% em 2008

Fluxo medido pela Unctad cai menos que o esperado no ano, mas redução deve acelerar em 2009

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

20 de maio de 2009 | 09h55

O fluxo global de investimento estrangeiro direto caiu menos do que o estimado em 2008, mas a taxa de declínio deve acelerar este ano, afirmou a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês). O fluxo mundial de IED declinou 14,5% para US$ 1,66 trilhão em 2008, abaixo da estimativa da Unctad de queda de 21%, para US$ 1,4 trilhão.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O recuo foi liderado pela forte queda no valor de fusões e aquisições internacionais, que caíram 29,1%, para US$ 1,2 trilhão. Segundo a Unctad, o declínio no IED em 2008 foi mais concentrado na Europa, onde os ingressos caíram 39%, para US$ 559 bilhões. No Japão, o investimento estrangeiro recuou 15,6%, para US$ 19 bilhões. Já nos EUA, o IED subiu 37,8%, para US$ 320,9 bilhões.

 

"As matrizes estrangeiras podem ter transferido capital para suas subsidiárias nos EUA em dificuldades financeiros", afirmou a Unctad.

 

Nas economias em desenvolvimento, o IED aumentou 7,2%, para US$ 549 bilhões em 2008, enquanto que nas economias em transição - Leste Europeu e ex-União Soviética -, cresceu 23,8%, para US$ 107,6 bilhões. A Unctad disse que indicações iniciais sugerem que o declínio no fluxo será maior este ano.

 

"Uma queda mais dramática é esperada em 2009. A julgar pelos dados preliminares do primeiro trimestre de 2009 sobre fusões e aquisições internacionais, houve um mergulho em todos os três grupos da economia: países desenvolvidos, países em desenvolvimento e economias em transição", afirmou a Unctad.

 

A Unctad afirmou que, no pior dos cenários, o fluxo de IED não vai se recuperar até 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeirainvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.