Iochpe-Maxion fecha acordo para compra do Grupo Galaz

A companhia brasileira Iochpe-Maxion, fabricante de rodas e chassis, anunciou hoje que suas subsidiárias mexicanas Iochpe Sistemas Automotivos de Mexico e Maxion Fumagalli de México celebraram contrato de compra de ações (stock purchase agreement) para a aquisição de 100% do Grupo Galaz. Conforme o comunicado divulgado na manhã de hoje, o valor do negócio é de aproximadamente US$ 195 milhões.

EULINA OLIVEIRA, Agencia Estado

19 de outubro de 2011 | 10h20

A nota da Iochpe-Maxion informa que o Grupo Galaz é um tradicional fabricante mexicano de longarinas de aço para veículos comerciais, que possui uma unidade industrial localizada em Monclova, no norte do México, a partir de onde abastece algumas das principais montadoras de veículos comerciais localizadas no mercado norte-americano.

Segundo a nota, o Galaz conta com aproximadamente 1.450 funcionários e apresentou, de janeiro a agosto de 2011, vendas líquidas de US$ 133,7 milhões, lucro líquido de US$ 14,5 milhões e Ebitda de US$ 24,9 milhões. Ainda de acordo com o comunicado da Iochpe-Maxion, a conclusão da aquisição está sujeita à verificação de condições suspensivas usuais. A compra também será submetida aos órgãos de defesa da concorrência competentes em determinados países envolvidos e à aprovação dos acionistas da companhia em assembleia geral a ser convocada.

Esta é a segunda compra no exterior anunciada pela Iochpe-Maxion em duas semanas. No último dia 5, a fabricante brasileira de rodas e chassis para veículos comerciais, rodas para veículos leves, vagões de carga e fundidos ferroviários informou que a subsidiária norte-americana Iochpe Holdings LLC celebrou um contrato e plano de fusão para a aquisição de 100% da Hayes Lemmerz International. O valor do negócio é de aproximadamente US$ 725 milhões, já incluindo neste valor a assunção de cerca de US$ 23 milhões de endividamento líquido.

Tudo o que sabemos sobre:
Iochpe-MaxionGalazaquisiçãoMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.