IPO da Biosev pode levantar até R$1,14 bi

A unidade sucroenergética da trading francesa Louis Dreyfus Commodities, Biosev, divulgou os termos de sua abertura de capital no segmento Novo Mercado da BM&FBovespa, podendo levantar até 1,14 bilhão de reais com a venda de suas ações.

Reuters

29 de junho de 2012 | 09h01

A companhia, descrita pela Louis Dreyfus como segunda maior esmagadora de cana do mundo, vai emitir um lote inicial de 41,212 milhões de ações ordinárias em oferta primária e estimou uma faixa de preço entre 16,50 e 20,50 reais por papel.

Com isso, a empresa, que emprega 20 mil funcionários e tem capacidade para 1.000 GWh de cogeração, pode levantar de 680 milhões a 845 milhões de reais com o lote inicial.

Caso haja excesso de demanda, a Biosev poderá oferecer mais 6,182 milhões de ações ordinárias em lote suplementar e 8,242 milhões de ações em lote adicional. Nesse caso, considerando a venda da totalidade dos lotes, o IPO pode chegar a 1,14 bilhão de reais.

O período de reserva para a oferta vai de 6 a 17 de julho, enquanto a fixação de preço por ação está marcada para 18 de julho. O início das negociações na BM&FBovespa está previsto para 20 de julho, sob o código BSEV3.

A Biosev surgiu em outubro de 2009, com a fusão da Louis Dreyfus Commodities Bioenergia com a Santelisa Vale. A empresa tem três unidades industriais localizadas nas principais áreas produtivas do Brasil e capacidade de processamento de 40 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano.

Os coordenadores da oferta da Biosev são Bradesco BBI, JPMorgan, BB Investimentos, ItaúBBA, Santander e Banco Votorantim.

(Por Sérgio Spagnuolo)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASIPOBIOSEV*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.