Israel e Chile passam a fazer parte da OCDE

Grupo das economias mais desenvolvidas do mundo passa a contar agora com 35 países

Renato Martins, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 15h04

O Conselho de Ministros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) decidiu acolher Israel, Chile, Estônia e Eslovênia no grupo das economias mais desenvolvidas, que passa a ter 35 países. Em Paris para a cerimônia de acesso, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que "nós em Israel estamos profundamente honrados com o convite para entrar nesse clube".

O processo de entrada de Israel na OCDE demorou dois anos, durante os quais os comitês técnicos da organização tiveram que lidar com objeções como a questão dos direitos humanos dos palestinos, com o fato de 20% dos 7,6 milhões de israelenses viverem abaixo da linha de pobreza e com o fato de que parte do território sob controle de Israel ser terra alheia sob ocupação (a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e as colinas de Golã).

Durante a cerimônia, o ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, disse que "a adesão abre nossa organização ao Oriente Médio, onde ela não tinha nenhum integrante". Ao juntar-se à OCDE, os novos membros passam da condição de economias emergentes para a de países desenvolvidos, com maior acesso a recursos de fundos de investimentos.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
OCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.