Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Itaú compra 35% da corretora Avenue por R$ 493 milhões e pode assumir controle em dois anos

Aquisição representa um novo avanço da instituição financeira no mercado de investimentos, após o divórcio com a XP

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2022 | 08h06

Depois do divórcio com a XP, o Itaú Unibanco faz um novo avanço no mercado de investimento, ao anunciar a compra de uma participação na Avenue, corretora focada no mercado dos Estados Unidos. Inicialmente, o aporte será de R$ 493 milhões por 35% da corretora. O acerto, contudo, é para atingir o controle de 50,1% dentro de dois anos, avaliando a Avenue em R$ 1,2 bilhão. No começo deste ano, o Itaú já tinha adquirido a corretora digital Ideal.

O "namoro" entre o Itaú e Avenue, conforme apurou o Estadão, começou há aproximadamente um ano, mas as negociações ganharam tração nos últimos seis meses.

O Itaú reforçou, em nota, que a aquisição garantirá mais musculatura no mercado de investimento e aumentará os produtos e serviços oferecidos aos clientes.  A ideia é plugar a Avenue dentro de seu próprio aplicativo, dando acesso à prateleira de produtos aos seus clientes.“Trata-se do principal player de acesso a serviços financeiros do mercado norte-americano para brasileiros. Além da tecnologia, oferece uma experiência diferenciada aos seus clientes. Identificaram uma oportunidade, desenharam uma jornada incrível e criaram não apenas uma empresa, mas uma nova linha de negócios que vai atrair cada vez mais brasileiros. Já estão hoje onde muitos planejam estar em alguns anos”, afirma o responsável pela área de gestão de fortunas no Itaú, Carlos Constantini.

Segundo o fundador e presidente da Avenue, Roberto Lee, ter o Itaú como sócio acelerará o crescimento da corretora. “Ao longo dos próximos anos, esperamos que este mercado multiplique-se muitas vezes. A Avenue e o Itaú juntos agregam todas as condições para catalisar e liderar essa categoria”, afirma Lee, que também fundou a corretora Rico, que depois acabou sendo comprada pela XP. A Avenue possui hoje cerca de 500 mil clientes e R$ 6 bilhões em custódia. A corretora recebeu no ano passado um aporte do conglomerado japonês de investimento Softbank, no valor de R$ 150 milhões.

Pelo acordo, que ainda depende de aval dos reguladores, o Itaú Unibanco fará um aporte primário de R$ 160 milhões e depois adquirirá ações, totalizando, com isso, aproximadamente R$ 493 milhões por uma fatia de 35% no total. Após dois anos da data de conclusão desta etapa, o Itaú Unibanco adquirirá participação adicional de 15,1% por um valor a ser determinado, atingindo, com isso, o controle com 50,1%. Passados mais cinco anos, o banco terá ainda a opção de comprar o restante das participações dos acionistas da Avenue.

O Itaú informou que a  gestão e marca continuarão autônomas em relação ao Itaú Unibanco, que passará, com esse acordo, a ser mais uma das instituições que distribuirá os serviços de intermediação de valores no exterior da Avenue aos correntistas.

Mercado em consolidação.

A nova investida do Itaú ocorre em um momento de baixa do mercado, mas  a leitura é de que o interesse do brasileiro em investir no exterior nunca esteve tão alto, o que tem levado bancos e corretoras a investirem em aquisições e em novas funcionalidades de suas plataformas, para permitir o investimento direto, especialmente nos Estados Unidos. O Bradesco, por exemplo, comprou no passado o BAC, na Flórida. 

O sócio da consultoria Spiralem, Bruno Diniz, afirma que o movimento do Itaú mostra a corrida do banco para ocupar uma lacuna de investimento no exterior. "Entendo que os investimentos internacionais e acesso ao mercado internacional  é a novo campo de batalha que o mercado irá explorar. Ainda mais em uma época pré-eleição no qual o dólar pode ter alta volatilidade. Muitos especialistas estão ressaltando recentemente a importância de dolarizar a carteira e acredito que soluções assim serão cada vez mais buscada", destaca o especialista. Ele frisa, ainda, que o Itaú estuda uma área de ativos digitais, que deverá ter sede em Nova York, ao mesmo tempo que a própria Avenue vinha preparando uma estrutura para criptoativos. 

Fora isso, o mercado de investimento vem passando ao longo dos últimos anos por um forte processo de consolidação.  O BTG Pactual, por exemplo, tem sido agressivo nesse processo, e comprou recentemente a carteira de clientes pessoas físicas da Planner, além da corretora carioca Elite. Antes já tinha levado a Necton, Magliano e Ourinvest. A XP comprou uma fatia na casa de análise Suno e o banco Modal, em janeiro. O Santander, por sua vez, adquiriou uma participação na Toro Investimentos.

Apesar do divórcio, neste ano o Itaú voltou a ser acionista da XP, depois de exercer um direito de fazer uma nova aquisição. A fatia, de cerca de 11%, deverá, contudo, ser vendida.

O executivo do Itaú afirmou, em coletiva de imprensa, que a Avenue seria um negócio a ser olhado, independente do fracasso na aquisição do controle da XP, negócio frustrado pelos órgãos reguladores em 2017. O Itaú e sua holding Itaúsa estão se desfazendo gradualmente das ações da XP que ainda detém. “Fizemos um movimento no passado e tínhamos objetivo de ter controle da XP, mas vamos corrigindo a rota, de acordo com as condições de contorno. No entanto, esta decisão teríamos de tomar de qualquer forma, porque nenhum outro player tem a oferta como a Avenue tem”, afirmou.

Constantini afirmou ainda que outras empresas planejam, anunciam e tem expectativa de chegar lá na frente, mas que essa decisão seria olhada independente do cenário. “Realmente é um ativo muito diferenciado e especifico. Temos certeza que não fomos os únicos que bateram na porta do Lee (Roberto Lee, fundador da Avenue) “, acrescentou. (colaborou Cynthia Decloedt)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.