Itaú Unibanco lucra R$ 3,5 bilhões no 1º trimestre

Resultado representa uma expansão de 1,34% em relação ao registrado em igual intervalo de 2012

Aline Bronzati, da Agência Estado,

30 de abril de 2013 | 07h42

O Itaú Unibanco anunciou lucro líquido de R$ 3,472 bilhões no período, expansão de 1,34% ante o registrado em igual intervalo de 2012. No critério recorrente, o lucro do banco foi a R$ 3,512 bilhões, cifra 0,90% menor, na mesma base de comparação.

A carteira total de crédito do Itaú finalizou março em R$ 434,239 bilhões, aumento de 1,79% ante a cifra de dezembro, de R$ 426,595 bilhões. Em um ano, o crescimento foi de 8,42%.

Os ativos totais do Itaú somaram R$ 1,028 trilhão ao final de março último, montante 14,7% superior ao visto no mesmo mês de 2012, de R$ 896,842 bilhões. Ante dezembro, a alta foi de 1,4%.

O Itaú, último grande banco privado a divulgar resultados do primeiro trimestre, encerrou março com patrimônio líquido de R$ 74,416 bilhões, elevação de 2,66% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado. Na comparação com a cifra de dezembro, de R$ 74,220 bilhões, foi vista leve alta de 0,26%.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) do Itaú foi de 18,9% no primeiro trimestre de 2013 contra 19,3% em 12 meses. Na comparação com o indicador fechado ao final de dezembro último, de 18,4%, houve aumento de 0,5 ponto porcentual. No critério recorrente, o ROE do banco foi de 19,1% ao final de março, menor que o visto um ano antes de 20,0% e também do registrado no quarto trimestre de 2012, de 19,3%.

O lucro líquido recorrente do banco foi de R$ 3,512 bilhões no primeiro trimestre. O resultado vei em linha com a previsão de analistas consultados pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. A média de sete casas (Bank of America Merrill Lynch, BES, BTG, Deutsche Bank, GBM, JPMorgan e Safra) apontava para um lucro de R$ 3,475 bilhões, quase 2% menor do que os R$ 3,544 bilhões somados um ano antes.

No entanto, em relação ao lucro visto em um ano no critério recorrente, a queda foi de 0,90%. O Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.

Inadimplência

A inadimplência do Itaú Unibanco, considerando os atrasos acima de 90 dias, ficou em 4,5% no final de março, uma melhora de 0,3 ponto porcentual ante o indicador do quarto trimestre de 2012, de 4,8%. Na comparação com 12 meses, quando o índice era de 5,1%, a variação foi de 0,6 ponto porcentual.

As despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa, as chamadas PDDs, totalizaram R$ 3,854 bilhões no primeiro trimestre de 2013, declínio de 14,9% em relação ao quarto, de R$ 4,531 bilhões. Em um ano, a cifra foi 22,9% inferior.

De janeiro a março, o saldo de PDDs totalizou R$ 27,188 bilhões, aumento de 4,77% na comparação com o registrado em igual intervalo de 2012, de R$ 25,951 bilhões. Na comparação com o quarto trimestre a variação foi de 2%.

O Itaú explica, no relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras, que a queda nas PDDs foi possível mesmo com o impacto de fatores sazonais decorrentes da maior concentração de pagamentos de impostos e tributos sobre patrimônio e despesas relacionadas ao início do ano letivo. Analistas do mercado já esperavam queda sequencial do número de calotes, considerando atrasos acima de 90 dias, e das despesas com PDDs

Tudo o que sabemos sobre:
Itaú Unibancobalanço1º trimestre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.