Itaú Unibanco mira Peru como mercado estratégico

O Itaú Unibanco considera o México e o Peru mercados estratégicos para expandir sua operação de varejo, de acordo com Rogério Calderón, diretor Corporativo de Controladoria do Itaú Unibanco. "Podemos ter movimentos de varejo nestes países ou abrindo a porta com um banco de atacado como fizemos na Colômbia depois de algumas tentativas de entrar pelo mercado de varejo", disse Calderón, em teleconferência com a imprensa, na manhã desta terça-feira, 30.

ALINE BRONZATI E SILVIA ARAUJO, Agencia Estado

30 de abril de 2013 | 17h17

No Peru, o banco tem, conforme Calderón, apenas um escritório de representação enquanto que no México o Itaú conta com uma pequena operação de cartões. "São estruturas muito pequenininhas. Em ambos os lugares as economias apresentam perspectiva de pujança, crescimento e são interessantes", avaliou. Calderón acrescentou que a estratégia do Itaú Unibanco para a América Latina é muito simples e que o importante é ter o foco nesta região. A instituição já está presente, de acordo com ele, na Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai.

"Temos estratégias específicas e se oportunidades surgem podemos nos mover", afirmou o diretor do Itaú Unibanco. Em relação a uma possível aquisição da operação de varejo do Citibank no Brasil ou Uruguai, Calderón disse que o banco não comenta rumores. Sobre a expansão do Itaú nos EUA, ele disse que o banco continua olhando oportunidades. "É fora de perspectiva imaginar um movimento de dimensão grande nacional americano, mas um movimento regional é possível desde que seja atrativo. Não vamos para lugar algum só pelo glamour de lá estar", concluiu ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Itaú UnibancobalançoMéxicoPeru

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.