Japão planeja apresentar plano para reforma fiscal neste ano

Dívida pública do Japão deverá atingir 200% do PIB do país em breve 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

24 de março de 2010 | 10h04

O ministro de Finanças do Japão, Naoto Kan, informou que o governo pretende apresentar neste ano uma legislação que vai exigir que os formadores de política consertem as finanças do país - que está em um dos piores estados entre as nações desenvolvidas.

 

"(A legislação) vai certamente refletir nosso pensamento com relação à reforma fiscal e incluir um caminho" sobre como atingir a meta, disse Kan. "Nós achamos necessário tanto para os partidos do governo quanto para os da oposição realizar debates sobre o assunto no parlamento", acrescentou.

 

Apesar da falta de detalhes, o anúncio de Kan pode constituir o mais recente esforço do governo japonês para convencer os investidores globais de que o governista Partido Democrata está levando a sério o plano para uma reforma das finanças do país. A administração do primeiro-ministro Yukio Hatoyama deverá apresentar em junho uma "estrutura fiscal de médio prazo" que vai delinear os planos para reforma fiscal dos próximos três anos.

 

A planejada legislação que Kan afirmou querer enviar ao parlamento neste ano aparentemente pretende fornecer uma base legal para essa estrutura e, assim, demonstrar a determinação do governo para pavimentar o caminho para a reforma fiscal.

 

Kan indicou que a legislação pode conter um cronograma para atingir metas e uma organização que permitirá que o governo desacelere a reabilitação orçamentária quando a economia se deteriorar. Questões sobre gastos e receita também serão discutidos com relação à legislação, segundo Kan. O ministro não deu detalhes sobre quais metas serão incluídas no plano.

 

A dívida pública do Japão deverá atingir 200% do Produto Interno Bruto (PIB) do país em breve, a taxa mais alta entre os países desenvolvidos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoreforma fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.