Japão pode reduzir ritmo de compra dos bônus da EFSF, diz fonte

Segundo fonte, dificilmente país comprará mais do que 20% das futuras emissões de bônus

Hélio Barboza, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 07h26

Um graduado funcionário do Ministério das Finanças do Japão disse que o país comprará mais bônus da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês), mas talvez não mantenha o mesmo ritmo de compras. "Eu disse ao executivo-chefe da EFSF, Klaus Regling, que nós continuaremos a comprar bônus", disse o funcionário, depois de Regling ter se reunido com dirigentes do Ministério na manhã desta segunda-feira.

Indagado se o Japão pode comprar mais do que 20% das futuras emissões de bônus da EFSF - o porcentual que o país comprou até agora - o funcionário disse que "isso pode ser difícil". Ele afirmou que Regling mencionou a questão da criação de um veículo de propósito específico para comprar bônus e levantar fundos para a recapitalização bancária, mas disse que o Japão não assumiu nenhum compromisso em relação ao plano.

A fonte acrescentou ainda que o montante de bônus da EFSF que o Japão compra depende do montante de euros que o governo tem em caixa, e também de outros fatores, como o yield (retorno para o investidor) dos bônus. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãorise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.