Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

JBS aceita reabrir planta de Presidente Epitácio, mas faz exigências

  Frigorífico quer que o Estado de São Paulo devolva créditos de ICMS equivalentes a 7% do valor do produto vindo de outros Estados. Atualmente, a devolução é de 3%

Célia Froufe, da Agência Estado,

21 de setembro de 2011 | 21h24

Para voltar atrás na decisão de fechar a unidade de Presidente Epitácio, o frigorífico JBS quer que o Estado de São Paulo passe a devolver créditos de ICMS equivalentes a 7% do valor do produto vindo de outros Estados. Atualmente, a devolução é de 3% e o governo paulista já propôs ampliar esse porcentual para 6% das transações passadas e ampliar para 4% a partir de agora. O valor cobrado do ICMS para o setor de carnes é de 12%.

A informação foi passada pelo deputado federal, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, que também é presidente da Força Sindical, e confirmada por fontes do frigorífico. Como dificilmente o governo cederá a esse ponto, até porque não poderia abrir uma concessão específica para uma só empresa, a condição imposta pelo frigorífico deve ser vista apenas como pró-forma. Até porque o JBS já demitiu 1.275 trabalhadores da unidade. Além disso, já foram retirados os equipamentos da planta, o que dificultaria uma retroação.

Paulinho esteve hoje com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, para apresentar o imbróglio do setor. O deputado teme que o JBS ou até outras empresas do setor demitam mais trabalhadores. "A confusão toda é que se trata de uma questão tributária", disse à Agência Estado, após reunir-se com Lupi. Ele ainda aguarda um retorno do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) para ver se aceitaria a proposta.

O que mais incomoda o parlamentar é o fato de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ser sócio do JBS. "Não dá para aceitar dinheiro público em uma empresa que demite tanto", afirmou o deputado. De acordo com ele, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, com quem esteve reunido há uma semana para tratar do tema, não levou o assunto "muito a sério".

"Desse jeito, vamos ter que brigar com todo mundo e vamos colocar o pessoal nas ruas para protestar", avisou o líder sindical. O intuito da reunião com Lupi foi tentar que o governo faça alguma pressão para evitar demissões de uma empresa que, ainda que indiretamente, recebe dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador."

Os frigoríficos sentem diretamente o aumento dos preços das terras no Estado de São Paulo, pois as áreas de pastagem cederam espaço para plantio de laranja e, principalmente, de cana-de-açúcar. Além disso, há a avaliação de que governos passados foram mais favoráveis ao setor, o que não está sendo visto agora. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.